PUBLICIDADE

Entenda a crise da Fórmula 1

19 jun 2009 00h22
| atualizado em 24/6/2009 às 08h59
Publicidade

Contrários à implementação de um teto orçamentário na Fórmula 1, medida a ser implementada a partir do ano que vem, as escuderias anunciaram a criação de uma nova categoria. Relembre os acontecimentos que levaram a F1 a entrar nesta crise sem precedentes.

22/01/08

Antes do início da temporada de 2008, o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) Max Mosley mencionou a criação de um limite orçamentário às equipes a ser implementado no futuro.

18/01/09

Depois de lançar uma série de medidas para controlar os gastos na F1, um reflexo da crise econômica mundial, Mosley voltou a falar sobre o teto orçamentário. "Por enquanto, só Ferrari se manifestou contra, mas parece que eles estão começando a compreender", afirmou na época.

17/03/09

Depois que a FIA indicou um limite orçamentário não-obrigatório de 30 milhões de libras (cerca de R$ 95 milhões) por temporada, a Associação das Equipes da Fórmula 1 (Fota) emitiu um comunicado contrário a medida, dizendo que "as regras definidas pela FIA tiram a principal essência da Fórmula 1, além dos princípios que a fazem popular e com apelo esportivo".

23/04/09

Novas equipes demonstram interesse em participar da F1 a partir da criação do limite. Prodrive, USF1 e Lola falam abertamente em disputar a temporada de 2010.

30/04/09

FIA anuncia a implantação de um teto orçamentário para as equipes da Fórmula 1 a partir de 2010. O valor será de 40 milhões de libras (R$ 128 milhões), 10 milhões a mais do que a ideia inicial.

02/05/09

Liderando as equipes contrárias às medidas da FIA, a Ferrari passou a cogitar a saída da F1. Para Max Mosley, porém, "o esporte poderia sobreviver sem a Ferrari. Mas seria muito, muito triste perder a Ferrari. É a equipe nacional da Itália".

05/05/09

A BMW passa a admitir a saída da categoria. Um dia antes, Bernie Ecclestone, detentor dos direitos comerciais da Fórmula 1, anunciou que defenderia a Ferrari junto à FIA.

12/05/09

"Ferrari não é estúpida. Eles não querem deixar a Fórmula 1 e nós não queremos ficar sem eles", diz Bernie Ecclestone. Um dia antes, a Red Bull e a Toro Rosso anunciaram a possibilidade de deixar a categoria.

13/05/09

Apesar da ameaça de ficarem sem cockpit ao fim da atual temporada do Mundial de Fórmula 1, os pilotos Felipe Massa e Kimi Raikkonen demonstram apoio ao posicionamento da Ferrari. Renault se une à escuderia e ameça sair. O jornal italiano La Gazzetta dello Sport mencionou a criação de uma nova categoria com as grandes montadoras.

15/05/09

FIA e equipes se reúnem e não chegam a um acordo. Para barrar as medidas da entidade, a Ferrari entra com uma ação na Justiça da França, país onde está localizada a sede da FIA.

20/05/09

Tribunal de Grande Instância (TGI) de Paris não aceita as alegações da Ferrari, interessada em bloquear o regulamento 2010 do Campeonato Mundial de Fórmula 1, e valida o plano estabelecido pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA). "Deve haver uma solução para tornar possível a permanência da equipe. F1 sem Ferrari é inimaginável para mim", disse o heptacampeão Michael Schumacher ao jornal Marca.

20/05/09

Presente na categoria desde 1950, Ferrari ironiza a chegada de novas equipes e abre uma questão: não seria mais adequado chamar a F1 de GP3?

22/05/09

Equipes e FIA se reúnem no iate do diretor esportivo da Renault Flavio Briatore, mas novamente não chegam a um acordo. Dois dias depois, Max Mosley disse estar convencido de que a Ferrari não deixaria a F1.

27/05/09

A Fota suspende a Williams depois que a escuderia anunciou sua inscrição para o Mundial de 2010. A própria Ferrari oficializou sua inscrição para o campeonato do ano seguinte dois dias depois, com a condição de que as regras de 2009 fossem mantidas.

10/06/09

Com as notícias da criação de uma nova categoria cada vez mais presentes, Bernie Ecclestone ameaçou processar as equipes que se organizassem para fazer um novo campeonato. "Se eles tentarem fazer outra série, o que eu acho que eles não são capazes, terão muitos problemas", avisou.

15/06/09

FIA que esteve próximo de um acordo com a Fota para encerrar os conflitos políticos da Fórmula 1. A entidade, entretanto, alega que um boicote vindo de dentro dos times inviabilizou os acertos.

16/06/09

"Não entendo porque querem arruinar a Fórmula 1 desta forma. Nós já colocamos as condições claras para participar do campeonato e nossa posição não mudou", diz Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari.

17/06/09

Max Mosley propõe um teto orçamentário maior, desta vez de 100 milhões de euros (cerca de R$ 274 milhões).

18/06/09

Equipes anunciam a criação de uma nova categoria de automobilismo contendo Ferrari, McLaren, Renault, BMW, Toyota, Brawn, Red Bull e Toro Rosso.

19/06/09

Em resposta, a FIA declarou, em comunicado oficial, que ficou "desapontada", mas não "surpresa" com o rompimento. No entanto, adiantou que pretende levar a Fota aos tribunais em razão dos contratos em vigência e ainda acusou a Ferrari de ser a responsável pela cisão, enquanto a equipe optou por ficar em silêncio. No mesmo dia, data em que se encerra o prazo de inscrição para a temporada de 2010, a Force India, que ao lado da Williams era a única equipe que estava ao lado da FIA, indicou que pode aumentar lista de dissidentes da categoria.

24/06/09

Depois de uma reunião em Paris, o presidente da FIA, Max Mosley, anunciou um acordo entre a entidade e a Fota, "arquivando" o projeto de criar um campeonato paralelo em 2010. O dirigente, porém, não especificou se o teto orçamentário será implantado ou não na F1 a partir do ano que vem.

Liderados pela Ferrari, oito equipes estão deixando a F1
Liderados pela Ferrari, oito equipes estão deixando a F1
Foto: AP
Fonte: Redação Terra
Publicidade