PUBLICIDADE

Quatro grandes bancos abandonam iniciativa de avaliação de metas climáticas, dizem fontes

29 nov 2023 - 11h32
Compartilhar
Exibir comentários

Quatro grandes bancos, incluindo Standard Chartered Plc e HSBC Plc, abandonaram uma iniciativa apoiada pela Organização das Nações Unidas para examinar metas climáticas estabelecidas por corporações, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

Os bancos abandonaram esforços para que a iniciativa de metas baseadas na ciência (SBTi, na sigla em inglês) validasse suas metas devido à preocupação de que isso pudesse prejudicar sua capacidade de continuar financiando combustíveis fósseis, disseram as fontes.

Alguns dos bancos, que também incluem Société Générale SA e ABN Amro Bank NV, manifestaram ainda preocupação de que as exigências da SBTi para o estabelecimento de metas de emissões de gases de efeito estufa são muito difíceis de serem cumpridas, acrescentaram as fontes.

Para justificar suas saídas da iniciativa, que aconteceram separadamente e ao longo do último ano, alguns dos bancos citaram participação em outro grupo apoiado pelas Nações Unidas, a Net-Zero Banking Alliance (NZBA), que é menos prescritiva e permite que as instituições continuem a financiar combustíveis fósseis desde que façam progressos em suas emissões. Muitos bancos afirmam que devem financiar os combustíveis fósseis enquanto as economias dependerem deles.

A saída dos quatro bancos lança uma sombra sobre o padrão mais amplamente adotado no mundo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Lançada como uma organização sem fins lucrativos, a SBTi já certificou que as metas de emissões de quase 4.000 empresas em todo o mundo estão alinhadas com o acordo intergovernamental de Paris para limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius.

A SBTi revelou planos este ano para um novo padrão que se aplicará especificamente a instituições financeiras já em 2024. Ele exigirá que bancos e gerentes de ativos não financiem novos projetos de combustíveis fósseis.

Isso foi demais para o Standard Chartered, que deseja continuar com esse negócio nos mercados em desenvolvimento. Um porta-voz do banco confirmou que a instituição havia deixado o processo de validação e disse que o padrão proposto pela SBTi não considera adequadamente "a transição (para deixar combustíveis fósseis) de nossos clientes e mercados".

O porta-voz acrescentou que o Standard Chartered está buscando uma validação alternativa de terceiros para suas metas climáticas e que está estabelecendo metas baseadas na ciência por meio da NZBA.

Um porta-voz do HSBC disse que o banco está definindo suas metas de emissões de acordo com a orientação da NZBA. Um porta-voz do Société Générale afirmou que o banco francês também está empenhado em estabelecer suas metas de emissões de acordo com a metodologia da NZBA.

Um porta-voz do ABN Amro disse que a instituição holandesa permaneceu como membro da NZBA após deixar a SBTi.

Um porta-voz da SBTi declarou à Reuters que, após a reação, a SBTi alterou algumas de suas exigências. Ela permitirá que os bancos continuem a financiar alguns projetos de combustíveis fósseis desde que estejam relacionados a metas de emissões a serem cumpridas em curto prazo. Ainda assim, exigirá que os bancos deixem de financiar projetos de combustíveis fósseis que possam afetar suas metas de emissões de longo prazo.

"Não podemos limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius e mitigar os riscos de colapso climático sem reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis", disse a SBTi em um comunicado.

A maioria dos grandes bancos europeus que aderiram à SBTi continuam membros. Credit Agricole, ING, BBVA e Swedbank disseram à Reuters que continuam comprometidos com a validação de suas metas de emissões pela SBTi.

A SBTi já aprovou algumas metas de NatWest, Commerzbank e Raiffeisen. O BNP Paribas não respondeu aos pedidos de comentários sobre seu status na SBTi.

Nenhum grande banco dos Estados Unidos aderiu à SBTi, optando pelos padrões mais fáceis de cumprir da NZBA.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade