PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Preços de importados nos EUA têm terceiro aumento mensal consecutivo em março

12 abr 2024 - 10h00
Compartilhar
Exibir comentários

Os preços de importação dos Estados Unidos aumentaram pelo terceiro mês consecutivo em março, em meio a altas nos custos de produtos de energia e alimentos, mas as pressões da inflação importada subjacente foram moderadas.

Os preços das importações aumentaram 0,4% no mês passado, depois de um avanço não revisado de 0,3% em fevereiro, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira. Economistas consultados pela Reuters esperavam que os preços de importação, que excluem as tarifas, aumentassem 0,3%.

Nos 12 meses até março, houve alta de 0,4%. Esse foi o primeiro aumento anual desde janeiro de 2023, após uma queda de 0,9% em fevereiro.

As leituras da inflação foram mistas em março, com os preços ao consumidor subindo com força enquanto os preços ao produtor aumentaram moderadamente, segundo dados do governo divulgados esta semana.

Os dados de preços ao consumidor mais fortes do que o esperado, na esteira de um forte relatório de emprego em março, levaram os mercados financeiros e a maioria dos economistas a adiar as expectativas de um primeiro corte na taxa de juros pelo Federal Reserve de junho para setembro.

O banco central dos EUA tem mantido sua taxa de juros na faixa de 5,25% a 5,50% desde julho, após um total de 525 pontos-base de aumentos desde março de 2022.

Os preços dos combustíveis importados aumentaram 4,7% em março, depois de subirem 1,3% em fevereiro. O custo dos alimentos importados teve alta de 1,6%, depois de ter subido 0,3% no mês anterior.

Excluindo combustíveis e alimentos, os preços de importação ficaram inalterados no mês e caíram 0,4% na base anual. Esse chamado núcleo dos preços de importação subiu 0,1% em fevereiro.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade