PUBLICIDADE

Petróleo tem perda semanal com juro alto estimulando temor sobre demanda

24 mai 2024 - 20h45
Compartilhar
Exibir comentários

Os preços do petróleo subiram cerca de 1% nesta sexta-feira, mas caíram durante a semana devido a preocupações de que os fortes dados econômicos dos Estados Unidos manterão a taxa de juros elevada por um período mais longo, reduzindo a demanda por combustível.

O contrato de julho do petróleo Brent subiu 0,76 dólar nesta sexta-feira, para 82,12 dólares por barril. O contrato mais ativo de agosto fechou em alta de 0,73 dólar, a 81,84 dólares.

Os contratos futuros do petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) fecharam em alta de 0,85 dólar, ou 1,1%, para 77,72 dólares.

A expectativa é de que a demanda do verão nos Estados Unidos aumente a partir deste fim de semana, e alguns investidores estão se perguntando se a venda foi exagerada, disse Dennis Kissler, vice-presidente sênior de negociações da BOK Financial.

O Brent fechou em queda de 2,1% na semana. Ele recuou por quatro sessões consecutivas, sua maior série de perdas desde 2 de janeiro. O WTI perdeu 2,8% na semana.

As preocupações com a política monetária do Federal Reserve e o aumento dos estoques de petróleo bruto dos EUA na semana passada pesaram sobre o sentimento do mercado, disse Tim Evans, analista independente de energia.

A ata da última reunião do Fed, divulgada na quarta-feira, mostrou que os formuladores de política monetária questionaram se a taxa básica estava elevada o suficiente para controlar a inflação persistente. Algumas autoridades estavam dispostas a aumentar novamente os custos dos empréstimos se a inflação acelerar.

Desde então, o chair do Fed, Jerome Powell, e outras autoridades disseram que acham improvável que haja novos aumentos.

Juros mais altos aumentam o custo dos empréstimos, o que pode desacelerar a atividade econômica e diminuir a demanda por petróleo.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade