PUBLICIDADE

Negociação de parte econômica do comunicado do G20 foi concluída e será submetida a ministros, diz Rosito

28 fev 2024 - 09h07
(atualizado às 10h28)
Compartilhar
Exibir comentários

A coordenadora brasileira da trilha de finanças do G20, Tatiana Rosito, disse nesta quarta-feira que a negociação de toda a parte econômica do comunicado produzido pelo grupo foi concluída e agora será submetida aos líderes de finanças de cada país.

Falando em coletiva de imprensa, Rosito, secretária de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, ainda afirmou que as prioridades brasileiras seguem sendo "bem recebidas" pelo grupo e estão caminhando para implementação.

Na declaração, a secretária não falou sobre como as questões geopolíticas, como os conflitos na Ucrânia e em Gaza, serão abordados no documento. Como a Reuters antecipou, uma divisão entre os países deve fazer com que o comunicado final da reunião seja enxuto e evite mencionar diretamente as guerras.

Ministros de Finanças e presidentes de Bancos Centrais do G20 se reúnem em São Paulo nesta quarta e na quinta-feira sob a presidência do Brasil, que propôs colocar à mesa debates sobre redução de desigualdades, reforma de organismos multilaterais, desenvolvimento sustentável e dívidas dos países.

De acordo com a secretária, as autoridades do G20 discutirão nesta quarta-feira temas relacionados à economia global e às desigualdades.

"As desigualdades cresceram muito nas últimas duas décadas, as desigualdades globais de renda hoje se encontram mais ou menos no mesmo nível que no início do século XX, com grande concentração de renda e de riqueza, com implicações para a economia", disse Rosito.

"As questões que estão sendo colocadas para os ministros são de se pensar quais as implicações dessas desigualdades, quais políticas têm sido bem-sucedidas para tratar dessa desigualdade", acrescentou.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade