PUBLICIDADE

Mercado vê mais crescimento em 2024 e volta a elevar projeção de inflação em 2025, mostra Focus

22 fev 2024 - 09h01
Compartilhar
Exibir comentários

O mercado melhorou sua perspectiva para o crescimento econômico brasileiro neste ano, ao mesmo tempo que voltou a ajustar para cima a projeção para a inflação em 2025, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta quinta-feira.

Os analistas consultados pelo BC passaram a ver um crescimento de 1,68% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2024, contra 1,60% previstos na semana anterior. Para 2025 a expansão continua sendo calculada em 2,0%.

A revisão se dá depois de o Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br) ter indicado que a atividade econômica brasileira cresceu mais do que o esperado em dezembro e fechou o quarto trimestre do ano passado com resultado positivo, terminando 2023 com crescimento de 2,45%.

O levantamento, que capta a percepção do mercado para indicadores econômicos, apontou ainda recuo de 0,01 ponto percentual na expectativa para a alta do IPCA este ano, a 3,81%. Mas, pela segunda semana seguida, a conta para o ano que vem subiu, com a inflação calculada agora em 3,52%, de 3,51%. Para 2026 e 2027 a projeção continua sendo de uma alta de 3,50% do IPCA.

O centro da meta oficial para a inflação em 2024, 2025 e 2026 é de 3,00%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

A pesquisa semanal com uma centena de economistas mostrou ainda que não houve mudanças no cenário para a política monetária, com a taxa básica de juros Selic calculada em 9,0% em 2024 e 8,50% em 2025.

A divulgação do Focus desta semana, com dados coletados até 16 de fevereiro, foi adiada por duas vezes devido ao movimento dos servidores da autarquia por melhores salários. Normalmente o levantamento é divulgado pelo BC às segundas-feiras.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade