PUBLICIDADE

Japão monitora de perto enfraquecimento do iene e de mercado de títulos, diz o ministro das Finanças

21 mai 2024 - 08h24
Compartilhar
Exibir comentários

O ministro das Finanças do Japão, Shunichi Suzuki, disse nesta terça-feira que está preocupado com as implicações negativas da atual fragilidade do iene e seu efeito sobre os incentivos para aumentar os salários.

"Um de nossos principais objetivos é conseguir aumentos salariais que excedam o aumento dos preços", disse Suzuki. "Por outro lado, se os preços continuarem altos, será difícil atingir essa meta, mesmo que os salários aumentem."

Embora o iene fraco seja uma vantagem para os exportadores, ele se tornou uma dor de cabeça para as autoridades do Japão, pois prejudica o consumo ao aumentar o custo das importações de matérias-primas.

A queda do iene para mais de 160 por dólar no final do mês passado desencadeou uma suposta rodada de intervenções por parte de Tóquio.

Desde então, a moeda japonesa tem se recuperado e, na última vez, estava em torno de 156,45 por dólar.

Em uma coletiva de imprensa regular após a reunião do gabinete, Suzuki reiterou que as taxas de câmbio devem ser definidas pelos mercados, refletindo os fundamentos, e que é desejável que a moeda se movimente de forma estável.

O governo monitorará o mercado de câmbio de perto e tomará as medidas apropriadas conforme necessário, disse ele.

Em resposta a perguntas sobre os rendimentos dos títulos públicos japoneses de referência, que atingiram o maior valor em mais de uma década na segunda-feira, Suzuki disse que é importante que o governo monitore o mercado de perto e se comunique com os operadores.

O rendimento do título público japonês de 10 anos foi negociado em torno de 0,979% nas negociações da manhã.

"O governo implementará políticas adequadas de gestão da dívida para garantir a emissão estável de títulos do governo", disse Suzuki.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade