PUBLICIDADE

Dividendos da Petrobras (PETR4) estão em risco? Veja a opinião de Tiago Reis

1 mar 2024 - 12h55
(atualizado às 14h10)
Compartilhar
Exibir comentários

Nesta semana o mercado penalizou drasticamente os papéis da Petrobras (PETR4) por causa das declarações do atual CEO, Jean Paul Prates, falando em "cautela" com os proventos e citando metas substancialmente relevantes em termos de geração de receita com energia renovável.

As declarações, a uma semana de divulgação do resultado da petroleira, assustaram o mercado - ainda mais levando em consideração as grandes expectativas de que sejam anunciados dividendos extraordinários da Petrobras junto com o balanço.

"Isso gera uma preocupação porque historicamente, quando a Petrobras sai do seu core business, não performa muito bem. O que ela fez de muito bom foi distribuir os seus lucros de forma relevante", observa Tiago Reis, fundador e chairman da Suno.

"A política atual é 45% da geração de caixa ao ano, que pra mim deveria ser o mínimo. A tendência é de que seja mais do que isso. A condição da Petrobras é de gerar cerca de R$ 8 por ação em caixa, implicando em cerca de R$ 4 por ação. Para uma ação de R$ 40, são cerca de 10% de dividend yield, mas é daí pra cima, podendo ser de 15% a 20%", completa.

Sobre as declarações de Prates acerca das metas ambiciosas de energia renovável, Tiago Reis observa que dificilmente a estatal terá sucesso em entrar em um mercado já muito explorado por players bem estabelecidos com uma expertise prévia.

"Quando o presidente da Petrobras fala que vai ser metade da receita gerada em 10 anos virá de energia renovável, é diferente do que a gente viu no plano estratégico da companhia, e não sei se é alcançável, é um setor com players privados fazendo isso com maestria"

Para efeito de comparação, em um cenário que a Petrobras feche 2023 com R$ 470 bilhões de receita, alcança metade disso em 10 anos com energia renovável equivaleria a mais de seis vezes a atual receita da Eletrobras (ELET3).

Riscos de interferência ainda existem?

Em se tratando dos movimentos do governo em relação à estatal, o fundador da Suno aponta que os riscos de interferência sempre existem, mas que foram feitas melhorias num passado recente que fizeram com que a segurança aumentasse.

"O Brasil não tem segurança jurídica, mas acho que muito foi feito de melhorias nas estatais, como a própria lei das estatais, que deu um respaldo para que os erros do passado não sejam cometidos novamente. Agora, pode ser que a lei das estatais seja jogada para cima? Não sabemos", comenta.

"É difícil de cravar. Quando indicamos PETR4 estava tão barato que achamos que valia correr esse risco. Na medida que o papel foi subindo, a margem de segurança foi diminuindo", conclui.

Dividendos da Petrobras atualmente

Conforme dados atualizados do Status Invest, os dividendos da Petrobras foram de R$ 7,32 por ação no acumulado dos últimos 12 meses.

Dada a cotação atual das ações da Petrobras - de R$ 40,50 - isso implica em um yield de 18%.

Suno
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade