PUBLICIDADE

Desenrola chega ao fim com saldo de R$ 53 bi de dívidas negociadas e 15 milhões de beneficiados

Valor negociado corresponde a 0,5% do PIB; redução da inadimplência entre a população mais vulnerável do País foi de 8,7%, segundo o Ministério da Fazenda

21 mai 2024 - 18h55
Compartilhar
Exibir comentários

BRASÍLIA - O Desenrola Brasil terminou nesta segunda-feira, 20, beneficiando 15,06 milhões de pessoas com a negociação de R$ 53,07 bilhões em dívidas — valor que corresponde a 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Segundo o Ministério da Fazenda, foi registrada uma redução de 8,7% da inadimplência entre a população mais vulnerável do País, considerada público prioritário do programa. Deste grupo, foram alcançadas cinco milhões de pessoas, com a negociação de R$ 25,43 bilhões em débitos.

Desenrola Brasil foi criado pelo governo para reduzir a inadimplência entre a população
Desenrola Brasil foi criado pelo governo para reduzir a inadimplência entre a população
Foto: José Cruz / Agência Brasil / Estadão

Um levantamento do Serasa, citado pela Fazenda, mostra que, de maio de 2023 a março de 2024, caiu de 25,2 milhões para 23,1 milhões o número de pessoas inadimplentes enquadradas na Faixa 1. "Os dados apontam para a reversão na trajetória de endividamento entre o público prioritário do programa", diz a pasta.

Segundo a Fazenda, na Faixa 1 do programa — que contempla pessoas com renda de até dois salários mínimos ou inscritas no CadÚnico, com dívidas que não podiam ultrapassar o valor atualizado de R$ 20 mil cada —, a média de descontos foi de 90% para pagamentos à vista e de cerca de 85% nos pagamentos parcelados. Além disso, o ticket médio foi de R$ 250 nas operações à vista e de R$ 1.031 nas renegociações parceladas.

Nas operações parceladas, a média das renegociações foi realizada em 13 prestações, com média de juros de 1,82% ao mês. Em alguns casos, os juros chegaram a 1,63%. Os setores que registraram os maiores volumes de renegociações foram os serviços financeiros (R$ 11,1 bilhões), que inclui os débitos de cartão de crédito; securitizadoras (R$ 1,6 bilhão) e comércio (R$ 1 bilhão). Os serviços não-financeiros com maior volume de operações foram os de contas de energia elétrica, conta de telefone, de internet e de água.

Os Estados onde tiveram mais pessoas beneficiadas foram São Paulo (25,3%), Rio de Janeiro (11,3%) e Minas Gerais (8,6%). Essas unidades federativas também lideraram em volume de renegociação (R$ 2,06 bilhões).

Desenrola Brasil foi criado pelo governo para reduzir a inadimplência entre a população
Desenrola Brasil foi criado pelo governo para reduzir a inadimplência entre a população
Foto: José Cruz / Agência Brasil / Estadão
Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade