PUBLICIDADE

BCE está no caminho certo, mas deve evitar compromisso sobre corte nos juros, diz Kazimir

28 fev 2024 - 08h55
Compartilhar
Exibir comentários

O Banco Central Europeu (BCE) reconhecerá uma melhora nas perspectivas de inflação quando se reunir na próxima semana, mas deve evitar qualquer compromisso com um corte na taxa de juros e deve adiar qualquer medida desse tipo até junho, disse Peter Kazimir, chefe do banco central da Eslováquia.

O BCE tem mantido as taxas de juros em um nível recorde desde setembro, mas com a inflação recuando rapidamente, os formuladores de políticas estão debatendo quando começar a reverter alguns dos 10 aumentos que levaram a taxa de depósito de patamares negativos para 4% em pouco mais de um ano.

Assim que as taxas de juros começarem a cair, o BCE deve seguir com avanços uniformes na direção de um ciclo constante de flexibilização da política monetária, disse Kazimir, que faz parte do Conselho do BCE que define a taxa de juros, à Reuters em uma entrevista na quarta-feira.

"Não há razão para apressar um corte nos juros", disse Kazimir, ex-ministro das Finanças. "Junho seria a minha data preferida, abril me surpreenderia e março é impossível."

"O cronograma é importante porque eu preferiria um ciclo suave e constante de flexibilização da política econômica e, para isso, temos de ter certeza sobre o primeiro passo", acrescentou Kazimir, um conservador declarado.

Embora o BCE não tenha sugerido oficialmente nenhuma data, Yannis Stournaras, da Grécia, que tem declaradamente postura de maior leniência com a inflação, também colocou junho na mesa, sugerindo que um consenso pode estar se formando em torno dessa data.

No passado, o BCE se comprometeu com determinados movimentos, mas os formuladores de políticas devem evitar esse tipo de "orientação antecipada" desta vez, argumentou Kazimir, dizendo que eles devem aprender com o erro do passado de amarrar as próprias mãos com muita antecedência.

Ainda assim, a inflação está claramente caindo mais rápido do que o BCE havia projetado no passado, mesmo que algumas questões sobre salários e tendências de preços subjacentes permaneçam.

"A desinflação está ocorrendo muito mais rapidamente do que esperávamos em termos de títulos, mas ainda não podemos ter certeza sobre o núcleo da inflação, porque a evolução dos salários continua incerta", disse Kazimir. "Para isso, o resultado dos acordos de negociação coletiva será crucial. Em suma, estamos no caminho certo, mas ainda não chegamos lá."

Os investidores agora esperam que o BCE corte os juros em apenas 90 pontos-base este ano, com uma primeira medida em junho, uma grande mudança na precificação do mercado em comparação com o mês passado, quando até 150 pontos-base de flexibilização foram precificados.

Kazimir disse que estava satisfeito com essa mudança no sentimento, uma vez que os preços agora estão "mais realistas", um comentário que ecoa outros formuladores de políticas que disseram que os investidores estavam se precipitando e que suas apostas excessivas provavelmente se provariam erradas.

As altas taxas de juros pesaram sobre o crescimento econômico, uma vez que o investimento caiu e a atividade de construção secou, e a zona do euro está agora em seu sexto trimestre consecutivo de crescimento amplamente estagnado.

Seus infortúnios são exacerbados pela fraca demanda da China e pelos altos custos de energia, que arrastaram o setor para a recessão.

Mas Kazimir disse que seu cenário básico é de um pouso suave, ou a derrota da inflação sem induzir uma recessão - geralmente considerada o santo graal do banco central.

"O crescimento econômico tem sido decepcionante, mas não devemos superestimar o impacto da política monetária", disse Kazimir. "A Europa está ficando para trás em termos de competitividade e falta vontade política para avançar com as reformas estruturais... as taxas de juros baixas não nos salvarão dessas dores."

Com relação à revisão em andamento da estrutura operacional do BCE, Kazimir disse que seus dois principais objetivos são ressuscitar o mercado de financiamento interbancário e limitar o tamanho de qualquer carteira estrutural de títulos e empréstimos que o BCE possa deter.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade