PUBLICIDADE

Ludmilla e Brunna iniciam processo para engravidar: conheça opções 

No caso de casais homoafetivos, processo de reprodução assistida é mais simples para mulheres do que homens

14 nov 2023 - 06h40
Compartilhar
Exibir comentários
Ludmilla e Brunna iniciam processo para engravidar: conheça opções:

A cantora Ludmilla e sua esposa, a bailarina Brunna Gonçalves, pretendem expandir a família e, para isso, iniciarão um processo de fertilização para conseguir engravidar e realizar o sonho de serem mães. 

“A reprodução assistida de casais homoafetivos é legal no Brasil desde 2015 graças a uma resolução do Conselho Federal de Medicina. E, devido à burocracia no processo de adoção, a busca desse público por clínicas de reprodução humana tem aumentado muito nos últimos anos”, explica Rodrigo Rosa, especialista em reprodução humana e diretor clínico da Clínica Mater Prime, em São Paulo.

No caso de casais homoafetivos do sexo feminino, o processo de reprodução assistida é mais simples do que o de casais masculinos, visto que é apenas necessária a doação do sêmen, que, assim como a doação do óvulo, é feita de forma anônima por meio de bancos do material. 

“Com o sêmen, o casal pode optar por dois métodos: a Fertilização In Vitro (FIV) ou a Inseminação Intrauterina (IU)”, detalha o especialista.

Como é cada processo

Na FIV, o óvulo é fecundado em laboratório e inserido no interior do útero de uma das integrantes do casal, que vai gestar a criança. “Após cerca de 15 dias já é possível verificar o sucesso do procedimento”, diz o especialista. 

Além disso, o casal homoafetivo feminino que optar pela fertilização in vitro ainda pode realizar uma gestação compartilhada, processo no qual uma das mulheres cede o óvulo enquanto a outra é a responsável por gestar o bebê, segundo Rodrigo Rosa.

A outra opção para casais homoafetivos do sexo feminino é inseminação intrauterina, popularmente conhecida como inseminação artificial. 

“O procedimento consiste, basicamente, na inserção do espermatozoide doado na cavidade do útero durante o período de ovulação da mulher para que a fecundação ocorra naturalmente, sendo que, em alguns casos, é necessário que a ovulação seja previamente estimulada por meio de tratamento medicamentoso”, diz o especialista.

Foto: Montagem Homework

Por fim, é importante ressaltar que a decisão pela reprodução assistida e a escolha do procedimento cabem apenas ao casal. 

"Elas devem discutir profundamente todas as questões que envolvem o tratamento com o médico", finaliza Rodrigo Rosa.

(*) HOMEWORK inspira transformação no mundo do trabalho, nos negócios, na sociedade. É criação da Compasso, agência de conteúdo e conexão.

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade