1 evento ao vivo

Morta aos 104, Olivia de Havilland brilhou no Oscar em 2003

Atriz foi homenageada pela Academia de Hollywood quando já estava aposentada do cinema

26 jul 2020
14h41
atualizado às 14h44
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Na noite de 23 de março de 2003, a plateia de astros e estrelas ficou de pé para aplaudir a entrada de Olivia de Havilland no palco da 75ª cerimônia do Oscar. Apoiando-se no cenário, com visível temor de queda, a atriz surgiu elegante e emocionada. Estava com 86 anos.

A música escolhida para recebê-la não poderia ter sido outra: o trecho mais conhecido da trilha de E o Vento Levou. O papel mais famoso da atriz foi Melanie Hamilton, a sofrida aristocrata e melhor amiga de Scarlett O´Hara (Vivien Leigh), no clássico de 1939, recentemente 'cancelado' por movimentos antirracistas.

Olivia de Havilland aos 26 anos, como Melanie em E o Vento Levou; no Oscar de 2003, prestes a completar 87; e ao ganhar a segunda estatueta, em 1950
Olivia de Havilland aos 26 anos, como Melanie em E o Vento Levou; no Oscar de 2003, prestes a completar 87; e ao ganhar a segunda estatueta, em 1950
Foto: Reprodução

Aquela foi a última aparição ao vivo de Olivia de Havilland na maior premiação da Hollywood que ela ajudou a consolidar. Na madrugada deste domingo (26), a artista morreu aos 104 anos durante o sono, de causas naturais, em sua casa no elitista 16.º arrondissement de Paris. Ela havia se radicado na França na década de 1950 após se casar com o jornalista e escritor Pierre Galante (1909-1998), da respeitada revista Paris Match.

Olivia de Havilland era a última representante da era de ouro de Hollywood e a derradeira integrante do elenco de E o Vento Levou. A atriz venceu dois Oscars: o primeiro em 1947 por Só Resta uma Lágrima e o segundo, três anos depois, pela atuação em Tarde Demais.

A artista nascida em Tóquio, de pais ingleses, teve como única irmã e grande rival Joan Fontaine (1917-2013), vencedora do Oscar por Rebecca, em 1941. Agraciada com o título de 'dama' pela rainha Elizabeth, Olivia de Havilland recebeu também a medalha da Légion d'honneur, a mais alta honraria francesa.

Teve dois filhos: o matemático Benjamin Goodrich, que morreu aos 42 anos, em 1991, de Linfoma de Hodgkin, e Gisele Galante, de 63 anos, que se dedicou a cuidar da mãe centenária e da administração do legado da última grande dama do cinema americano.

Será lembrada pelo talento versátil (começou a carreira como comediante e depois se consagrou no drama), o carisma e a discrição. Com ela, morre o aspecto glamouroso da velha Hollywood, quando as estrelas das telonas eram tratadas como semideuses. Olivia de Havilland sai de cena com seu lugar garantido entre os maiores nomes da sétima arte.

 

Veja também:

Keaton mantém sigilo sobre rumores de voltar a ser Batman
Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade