0

Bolsonaro e Haddad criticam Globo, mas não desprezam o ‘JN’

Os dois presidenciáveis já manifestaram a intenção de ‘punir’ a emissora da família Marinho

9 out 2018
11h53
atualizado às 11h53
  • separator
  • 0
  • comentários

Menos de 24 horas depois do final da totalização dos votos do primeiro turno, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) apareceram no Jornal Nacional. Foi a primeira entrevista exclusiva de ambos a uma emissora de TV na campanha do segundo turno.

Presidenciáveis não abrem mão da audiência gigantesca da Globo
Presidenciáveis não abrem mão da audiência gigantesca da Globo
Foto: Fotomontagem: Blog Sala de TV (Imagens de divulgação) / Divulgação

Por link (transmissão ao vivo a distância), cada um deles falou por cerca de 6 minutos, uma visibilidade valiosa no telejornal de maior audiência do País. 

Na semana passada, de 1º a 6 de outubro, o JN marcou média de 28 pontos no Ibope. Este índice representa quase 6 milhões de telespectadores na Grande São Paulo, a cada edição, e é maior do que a audiência dos programas do horário político e do próprio debate presidencial na emissora.

Primeiro a ser entrevistado, por ordem de sorteio, Haddad foi questionado pela âncora e editora-executiva Renata Vasconcellos. O clima foi amistoso, diferentemente da tensão registrada na participação do petista na série de entrevistas na bancada do Jornal Nacional, no final de agosto.

“Queria agradecer Renata, Bonner, a oportunidade de reiniciar o segundo turno na presença de vocês, podendo conversar com o eleitor e com a eleitora”, declarou o ex-prefeito de São Paulo, cordial, sem cumprimentar o ex-presidente Lula, como o fez anteriormente.

Em seguida, o âncora e editor-chefe William Bonner fez as perguntas a Jair Bolsonaro. O deputado federal também evitou confrontar os apresentadores e a emissora, como aconteceu durante sua presença no estúdio do JN na sabatina com os principais candidatos à Presidência: “Boa noite, Bonner. Boa noite, Renata. Boa noite brasileiros”.

Os dois presidenciáveis mantêm uma relação tumultuada com a Globo. Bolsonaro já declarou pretender reduzir a verba publicitária do governo federal destinada ao Grupo Globo, do qual faz parte o canal. Ele se diz perseguido por seu telejornalismo.

O PT de Haddad empunhou a bandeira ‘Globo golpista’ ao acusar a emissora de ter apoiado o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O partido defende a regulação da mídia para desfazer monopólios e oligopólios na área da comunicação. Em outras palavras, evitar que uma mesma empresa seja dona de TV, jornal, rádio, portal de notícias e outras plataformas, assim como acontece com o grupo da família Marinho.

Mesmo com tantas reservas em relação à todo-poderosa Globo, Bolsonaro e Haddad não desperdiçam as oportunidades de aparecer no Jornal Nacional. Trata-se de uma vitrine importante tanto para a direita quanto para a esquerda. A cobertura diária que o telejornal faz da corrida ao Palácio do Planalto é uma publicidade indispensável a quem precisa conquistar votos.

Resta saber se esse aparente armistício de Bolsonaro e Haddad com a Globo será mantido quando um eles assumir o comando do Brasil.

Veja também:

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade