3 eventos ao vivo
TV

Atriz desde criancinha, Isabela Garcia relembra carreira e fala de 'O Sétimo Guardião'

Isabela Garcia estreou na televisão aos 4 anos e em 2018 se desligou da Globo, depois de 46 anos de profissão; a atriz está de volta agora em 'O Sétimo Guardião'

12 fev 2019
03h10
  • separator
  • comentários

A atriz Isabela Garcia começou ainda criança sua carreira artística, surgindo na tela da Globo quando ainda tinha quatro anos. Depois disso, não parou mais, participando de inúmeras novelas, programas especiais, sem esquecer de cinema. Atualmente, tem marcado presença forte como a Judith, na trama da 21h, O Sétimo Guardião. Na trama de Aguinaldo Silva, Isabela é essa mulher que tem a função de zelar pelo casarão em que vive guardião-mor, que agora é Gabriel (Bruno Gagliasso).

"Ela (Judith) tem uma coisa misteriosa, enigmática e ao mesmo tempo é doce, e tinha aquela relação bacana com o Egídio (Antônio Calloni), mas era com distanciamento, mais madura, agora com o Gabriel é mais maternal, mais próximo", conta Isabela, que se entusiasma ao falar da novela, dos personagens e dos companheiros de cena.

Isabela Garcia está no ar na novela 'O Sétimo Gurdião'
Isabela Garcia está no ar na novela 'O Sétimo Gurdião'
Foto: Rodrigo Lopes/Divulgação / Estadão

É o caso do Heitor Martinez, o Robério, que era seu marido na trama, mas com uma relação complicada, ele grosseiro, autoritário, interesseiro, ela essa mulher sensível, correta. "Ele é incrível em todos os trabalhos que faz, sempre muito estudioso", diz Isabela, que conta que o conheceu quando ele estava filmando Como Ser Solteiro, ao lado de sua irmã, Rosana Garcia, com quem, aliás, foi constantemente confundida.

A atriz, que tem mais de 40 anos de carreira, ainda se sente extremamente emocionada por poder trabalhar com atores e atrizes que tanto admira. "Eu fico contracenando com essas pessoas e às vezes, sabe quando não é você (risos) em alguns momentos? Sinceramente, até esqueço um pouco o que estou fazendo e fico um pouco assistindo a atuação dos colegas, e então lembro que tenho de voltar, e é muito incrível trabalhar com artistas tão profundos,"

Como em toda novela, o elenco toma pé dos personagens e começa a se ambientar a eles conforme os capítulos vão chegando. Tem muita leitura, ensaios. E, segundo Isabela, eles vão se apegando a esses personagens, sentindo falta quando se distanciam. "Algumas cenas marcam a gente, mesmo aquele cara (Robério) que é muito ruim com a Judith, até agressivo, mau caráter, mas quando a gente gravou a separação deles, eu pensei, poxa, acabaram minhas cenas com ele", afirma.

Isso é para mostrar que apesar de serem personagens antagônicos, a proximidade dos atores fez com que a relação em cena fosse de entrega. "Quando começamos a fazer as leituras da novela, as cenas já eram assim, muito secas (pausa para acudir netinho), já era um casamento muito ruim, um relacionamento desgastado", diz Isabela, que afirma ter saída dessa leituras com alguns questionamentos.

"O que será que aconteceu com ele, será que um dia a relação foi boa, porque será que eles casaram?", e isso fez com que os atores saíssem em busca de encontrar algo para montar um passado dos personagens.

E, nessa busca, veja só o que conseguiram. "Aí, olha que engraçado", conta Isabela, "eu sentei em casa e pensei, vou escrever umas cartas para o Roberio, como se fosse no começo da relação, e fiz uma caixinha com umas quatro cartinhas, como se fosse algo do começo da relação", explica, enfatizando o que vem depois. "Você sabe que ele fez a mesma coisa pra mim e sem combinar, foi uma sintonia louca, e a gente ficou tão emocionado", diz a atriz. Ela conta que, a partir disso, conseguiram montar um passado para o casal, o que "foi o suficientes para ter aquilo dentro da gente e quando fomos fazer a parte da separação tinha aquilo dentro da gente pra gente".

Isabela Garcia passou alguns meses fora da Globo, tinha sido desligada, mas não durou muito o afastamento, logo retornou para continuar sua caminhada e participar dessa novela. Mas ela tem muita história para contar. Nesse período distante, disse que aproveitou para se dedicar ainda mais ao budismo, religião que segue, mas não só isso. "Aproveitei para fazer tudo que gosto, me dedicar à família, por exemplo, foi um período muito bom, um desafio, e cresci muito com isso, acho que refletiu em tudo, trabalho, família (pausa para socorrer netinho novamente, que estava querendo comer a comida do gato)."

A atriz começou criança na TV, mas sua irmã, Rosana, chegou um pouco antes. As duas muito parecidas. Foi aí que Isabela começou a ser confundida coma Rosana. "Inclusive muitas pessoas pensam que sou minha irmã, muita gente, minha irmã começou a trabalhar antes de mim, fez muito sucesso, fez a Narizinho do Sítio do Picapau Amarelo por cinco anos", conta a divertida Isabela. "A Rosana tem três anos mais que eu, mas ela teve filho com 17 anos, e deu uma parada muito grande na carreira, mas eu continuei e daí as pessoas achavam que era a mesma pessoa. No começo, eu explicava que não era, mas depois achava que tudo bem, só pra não ter de explicar muito".

E por onde anda Rosana Garcia? "Minha irmã trabalha como coach na Globo há muito anos, e eventualmente faz alguns trabalhos como atriz, ela gosta muito disso e é muito requisitada por diretores, principalmente pelo trabalho que faz com crianças", esclarece Isabela, que declara ser fã da irmã, mas, além disso, aproveita muito bem o conhecimento dela. "Eu sou muito estudiosa hoje em dia, isso reflete no meu trabalho, pois eu penso cada fala, cada respiração, estudo com minha irmã, olha só, tenho uma coach particular", se diverte Isabela. "Eu digo pra ela o que quero fazer, o que gostaria de apresentar em cada cena, cada fala, é muito trabalhoso, é uma grande parceira, mesmo ela tendo os horários dela, mas tudo bem ela minha irmã."

Entre os projetos atuais, além da novela O Sétimo Guardião, Isabela Garcia, faz uma participação no longa Minha Cara de Mau, onde vive a mãe de Erasmo Carlos.

Mas não tem como terminar a entrevista sem saber algo sobre a novela Bebê a Bordo, de 1988, que até hoje é lembrada. "Não tem como esquecer, estão reprisando o tempo inteiro, tem páginas de fãs, é difícil esquecer, mas foi muito bom."

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade