0

Paralamas do Sucesso completam 30 anos; relembre história da banda

20 abr 2013
10h23
atualizado às 10h25
  • separator
  • comentários

Os Paralamas do Sucesso, uma das bandas mais importantes do rock nacional, estão completando 30 anos. Para comemorar a data, o grupo faz uma turnê que começa neste sábado (20) em São Paulo. No show, o trio Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone promete mostrar um pouco da história da banda que, junto com nomes como Barão Vermelho, Titãs e Legião Urbana, mudou a história da música brasileira nos anos 80.

Herbert e Bi se conheceram ainda crianças em Brasília, onde moravam, e se reencontraram no Rio de Janeiro em 1977. Já no Ensino Médio, os dois resolveram formar uma banda, junto com o baterista Vital. O grupo se separou em 1979 por causa do vestibular, mas acabou voltando em 1981. Foi nessa época que surgiu o nome do grupo, uma invenção de Bi que todos acharam engraçado. Inicialmente,  o grupo tinha dois cantores (Herbert só tocava), Ronel e Naldo, que saíram em 1982. Em 1982, Vital faltou a uma apresentação e foi substituído por João Barone, que assumiu de vez o lugar na banda.

Escreveram, tendo como "protagonista" seu ex-baterista, Vital e sua Moto, e mandaram uma fita com essa e mais três músicas para a Rádio Fluminense. Vital foi muito tocada durante o verão de 83, e os Paralamas tiveram a primeira grande apresentação, ao abrir para Lulu Santos no Circo Voador. Em seguida, assinaram contrato com a EMI, gravando o álbum Cinema Mudo, que teve um sucesso moderado.

Em 1984, lançaram o álbum O Passo do Lui, com hits como Óculos, Me Liga, Meu Erro, Romance Ideal, Ska), levando o grupo a tocar no Rock in Rio, no qual o show dos Paralamas foi considerado um dos melhores. Em 1986, lançaram Selvagem?, com sucessos como Alagados, A Novidade, Melô do Marinheiro e Você. O disco vendeu 700 mil cópias. Em um show, no Festival de Montreux, em 1987, eles gravaram o primeiro álbum ao vivo, D. O sucessor de Selvagem?, Bora-Bora (1988), acrescentou metais ao som da banda. O álbum tinha faixas como O Beco e as intrsopectivas Quase Um Segundo e Uns Dias (reflexo talvez do fim do relacionamento de Herbert com a vocalista da banda Kid Abelha, Paula Toller). Big Bang (1989) seguia o mesmo estilo, tendo como hits Perplexo e Lanterna dos Afogados.

Os Grãos (1991), disco com enfoque nos teclados e menor apelo popular, não foi bem nas paradas e não vendeu muito. No fim de 1993, a banda viajaou para a Inglaterra, onde gravou Severino. O álbum, lançado em 1994, teve participação do guitarrista Brian May, da banda inglesa Queen, na música El Vampiro Bajo El Sol. Mas o disco era ainda mais experimental e foi ignorado pelas rádios e grande público, vendendo apenas 55 mil cópias. No entanto, se no Brasil os Paralamas estavam esquecidos, no resto da América eles eram ídolos. Paralamas (1992), coletânea de versões em espanhol e Dos Margaritas (a versão hispânica de Severino) estouraram principalmente na Argentina.

Uma série de três shows, gravada no fim de 1994, viraria em 1995 o disco ao vivo Vamo Batê Lata, que tinha ainda quatro músicas inéditas - com destaque para Uma Brasileira (parceria de Herbert com Carlinhos Brown e participação de Djavan), Saber Amar e a controvertida Luís Inácio (300 Picaretas), que criticava a política brasileira e os anões do orçamento e atraiu a atenção de público e imprensa de volta aos Paralamas. Nove Luas, de 1996, e Hey Na Na, de 1998 continuaram o caminho de êxito com faixas como Lourinha Bombril, La Bella Luna e Ela Disse Adeus. Em 1999, a MTV Brasil chamou os Paralamas para gravar um Acústico MTV

Em fevereiro de 2001, um ultraleve pilotado por Herbert Vianna teve um acidente em Mangaratiba (RJ). A mulher de Herbert, Lucy, estava a bordo e morreu. Herbert foi resgatado, mas ficou paraplégico e perdeu parte da memória. No entanto, depois de algum tempo, ele mostrou que podia tocar e banda gravou um disco cujas canções já estavam preparadas antes do acidente. Longo Caminho foi lançado em 2002. Aproveitando o caráter fortemente emocional dos shows da turnê, a banda gravou Uns Dias Ao Vivo (2004), cheio de participações especiais (Dado Villa-Lobos, Andreas Kisser, Edgard Scandurra, Djavan, Nando Reis, Paulo Miklos, George Israel e Roberto Frejat).

Em 2005, os Paralamas lançam Hoje, o primeiro com músicas totalmente inéditas. A recepção foi boa e músicas como 2A, Na Pista e De Perto fizeram sucesso. No início de 2006, foi lançado o DVD Hoje Ao Vivo. Ainda neste ano, foi lançado documentário sobre Herbert Vianna, Herbert de Perto. Em 2008, os Paralamas completaram 25 anos de carreira, comemorados com uma série de shows junto com os Titãs, que também estavam há 25 anos na estrada. A série de shows culminou em um espetáculo realizado na Marina da Glória, Rio de Janeiro, lançado em CD e DVD e intitulado Paralamas e Titãs: Juntos e Ao Vivo. Em 2009, os Paralamas lançaram seu mais recente disco, Brasil Afora. Em dezembro de 2010, os Paralamas gravam no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro o CD e DVD Multishow Ao Vivo Brasil Afora.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade