PUBLICIDADE

Egito encontra antigo navio militar em cidade submersa

Mergulhadores encontraram raros destroços na antiga cidade submersa de Thônis-Heracleion, que data 331 antes de cristo

19 jul 2021 12h23
| atualizado às 12h34
ver comentários
Publicidade

Mergulhadores encontraram raros destroços de um navio militar na antiga cidade submersa de Thônis-Heracleion --outrora o maior porto do Egito no Mediterrâneo-- e um complexo funerário que ilustra a presença de mercadores gregos, afirmou o país nesta segunda-feira.

A cidade, que controlava a entrada ao Egito na foz de um braço ocidental do Nilo, dominou a região por séculos antes da fundação de Alexandria por Alexandre, o Grande, em 331 antes de Cristo.

Destruída e afundada junto com uma vasta área do delta do Nilo por vários terremotos e maremotos, Thônis-Heracleion foi redescoberta em 2001 na baía de Abu Qir, perto de Alexandria, agora a segunda maior cidade do Egito.

Restos de navio militar antigo descberto no litoral de Alexandria, no Egito
19/07/2021 Ministério de Antiguidades do Egito/Divulgação via REUTERS
Restos de navio militar antigo descberto no litoral de Alexandria, no Egito 19/07/2021 Ministério de Antiguidades do Egito/Divulgação via REUTERS
Foto: Reuters

O navio militar, descoberto por uma missão egípcia e francesa liderada pelo Instituto Europeu de Arqueologia Submersa (IEASM), afundou quando o famoso templo de Amun, ao qual estava atracado, desabou no segundo século antes de Cristo.

Um estudo preliminar mostra que o casco do navio de fundo chato de 25 metros, com remos e uma grande vela, foi construído mediante a tradição clássica e também tinha características da construções do Antigo Egito, afirmou o ministério de Turismo e Antiguidades do Egito.

Em outra parte da cidade, a missão revelou os destroços de uma grande área funerária grega, que data dos primeiros anos do quarto século antes de Cristo, disse.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade