PUBLICIDADE

No TikTok, conteúdo neonazista dribla moderação

Vídeos recentes tinham poucas visualizações, mas violam a política de conteúdo extremista do TikTok

20 mar 2023 - 12h48
Compartilhar
Exibir comentários

O TikTok tem sido usado para disseminar conteúdo neo-nazista, incluindo material relacionado ao massacre de Christchurch na Nova Zelândia em 2019, segundo relatório do Institute for Strategic Dialogue (ISD).

Foto: Núcleo Jornalismo

A pesquisa aponta que os usuários estão sendo expostos a esse tipo de conteúdo usando hashtags criadas para desviar a atenção dos moderadores da plataforma. Os pesquisadores alertam que o conteúdo pode ser usado para recrutar jovens para células extremistas.

O estudo foi divulgado com exclusividade pela VICE e pode ser acessado em inglês aqui.

TEM QUE ACABAR A INTERNET. Durante um curto período de monitoramento, o relatório encontrou 33 vídeos e 20 contas glorificando o ataque de Christchurch. Todas as contas usavam uma imagem do atirador como foto de perfil.

  • 16 são vídeos do próprio atirador, republicados pelos usuários;
  • 15 foram postagens glorificando sua imagem;
  • 28 dos 33 vídeos foram publicados no TikTok entre jan - mar.2023, enquanto os outros 5 foram publicados em ago.2022;
  • 2,6 mil é a média de visualizações para os vídeos, mas a postagem mais popular teve 13 mil visualizações.

COMUNIDADE. Segundo o item Conteúdo Violento e Explícito das Diretrizes de Comunidade do TikTok, a rede diz não permitir "conteúdo que seja excessivamente macabro, explícito, sádico ou horrendo, ou que promova, normalize ou exalte a violência ou o sofrimento extremo em nossa plataforma".

O nome do autor do massacre de Christchurch é um dos poucos nomes de extremistas banidos do mecanismo de busca da plataforma.

VOCÊ SABIA? Em 26.jan.2023, o Núcleo publicou uma reportagem denunciando uma comunidade internacional de culto a atiradores escolares, supremacistas brancos e assassinos no TikTok. Dias depois, a plataforma removeu 30 hashtags do grupo que somavam mais de 300 milhões de visualizações.

Texto Sofia Schurig
Edição Sérgio Spagnuolo
Núcleo Jornalismo
Compartilhar
Publicidade
Publicidade