PUBLICIDADE

Língua escrita da Ilha de Páscoa foi criada antes da invasão europeia

Tabuletas de madeira encontradas na Ilha de Páscoa foram estudadas por séculos, mas só agora revelou-se que algumas delas foram fabricadas há mais de 200 anos

23 fev 2024 - 16h18
(atualizado às 18h21)
Compartilhar
Exibir comentários

Uma equipe multidisciplinar de cientistas descobriu evidências de uma língua escrita antiga na Ilha da Páscoa, feita antes da invasão europeia ao local — são diversas tabuletas de madeira contendo o sistema de comunicação dos Rapa Nui, povo nativo da região.

Foto: Ferrara et al./Scientific Reports/INSCRIBE 3D / Canaltech

Quando os colonizadores europeus chegaram à Ilha de Páscoa, encontraram os famosos moais, grandes estátuas esculpidas no formato de cabeças humanas, junto à população nativa e suas tabuletas de madeira em um alfabeto de pictogramas ininteligíveis.

Algumas tabuletas da Ilha de Páscoa foram fabricadas antes da chegada dos europeus, sendo uma língua própria (Imagem: Ferrara et al./Scientific Reports)
Algumas tabuletas da Ilha de Páscoa foram fabricadas antes da chegada dos europeus, sendo uma língua própria (Imagem: Ferrara et al./Scientific Reports)
Foto: Canaltech

Os relatos orais desse povo sumiram junto com eles, sucumbindo a doenças, massacres ou escravidão pelos invasores. A língua dos objetos acabou sendo atribuída a outras populações, circulando a história de que os europeus seriam os responsáveis por trazer as tabuletas à Ilha de Páscoa. A nova pesquisa refutou essa argumentação.

As tabuletas da Ilha de Páscoa

Para descobrir a origem das tabuletas e de sua língua, foram necessários filólogos, químicos, físicos ambientais e engenheiros de diversas universidades. A língua expressa nos artefatos é chamada de Rongorongo, vista pelos europeus pela primeira vez no final dos anos 1800, quando chegaram em Rapa Nui, nome nativo da ilha.

Ao estudar o sistema de escrita, notou-se que ele consiste de diversas pequenas imagens ligadas umas às outras, a maioria sendo objetos facilmente identificáveis, como partes do corpo humano, animais ou ferramentas. Anteriormente, tentativas de datá-las mostraram que ao menos duas teriam sido feitas na Ilha de Páscoa em algum momento do século XIX, após a chegada europeia.

A Ilha de Páscoa é famosa pelos moai, esculturas enormes em formato de cabeças humanas (Imagem: Unsplash/Emerson Moretto)
A Ilha de Páscoa é famosa pelos moai, esculturas enormes em formato de cabeças humanas (Imagem: Unsplash/Emerson Moretto)
Foto: Canaltech

No novo estudo, a equipe datou quatro tabuletas adicionais pelo radiocarbono, estas presentes atualmente em um museu de Roma, na Itália. Três delas foram feitas de madeira da Ilha de Páscoa depois da chegada dos europeus, mas a quarta veio de uma árvore derrubada 200 anos antes dos invasores aportarem.

O mais interessante é que a árvore que originou a madeira não é da Ilha de Páscoa, mas sim da África do Sul. Os pesquisadores sugerem que ela teria chegado à costa Rapa Nui provavelmente por conta de um naufrágio, sendo coletada pelos nativos para escrever em sua língua nativa.

Fonte: Scientific Reports

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade