PUBLICIDADE

Filamento magnético explode no Sol e causa grande erupção

O mês de outubro se encerrou com erupções solares surgindo do lado afastado do Sol. Uma ejeção de massa coronal também foi observada no 1º de novembro

1 nov 2023 - 21h01
(atualizado em 2/11/2023 às 12h40)
Compartilhar
Exibir comentários

Nesta terça-feira (31), uma erupção enorme de filamento magnético explodiu no Sol, assumindo um formato que lembra um desfiladeiro. A estrutura tinha cerca de 10.000 km de espessura e era 10 vezes mais longa, mostrando o retorno das atividades solares mais intensas após algumas semanas de calmaria.

Foto: NASA/SDO/AIA / Canaltech

Os modelos da NASA a respeito dessa erupção previam que a radiação emitida não atingiria a Terra. No entanto, esta e outras regiões ativas estão se movendo rumo ao centro do disco solar, ou seja, diretamente de frente para nosso planeta.

Além disso, no dia 1º de novembro, um aglomerado de erupções de classe C (pequena) e M (média) surgiu do lado leste, tornando-se visível à medida que a estrela girava. As imagens indicam que essa atividade já ocorria enquanto essa parte da superfície solar estava do lado invisível em nossa perspectiva.

Essas erupções ocorreram na mancha solar AR3477 e outra ainda escondida no lado afastado do Sol. Esse é mais um indício de que o mês de novembro pode trazer mais atividade do que outubro, começando por essas manchas, que devem se aproximar mais do centro do disco solar.

Conjunto de erupções solares no dia 1º de novembro (Imagem: Reprodução/NASA/SDO/AIA)
Conjunto de erupções solares no dia 1º de novembro (Imagem: Reprodução/NASA/SDO/AIA)
Foto: Canaltech

Por fim, uma ejeção de massa coronal (CME) ocorreu após a primeira explosão, mas ainda não há modelagens para sabermos se há chances de atingir a Terra.

No total, entre o dia 31 e 1º, foram doze erupções classe C e uma classe M, sendo que pelo menos uma delas causou um pequeno apagão de rádio no sul do Oceano Índico. Atualmente, são cinco regiões ativas no lado voltado para a Terra, com 85% de chances de novas explosões de classe C e 25% de chance para classes M.

O que são filamentos solares

Os filamentos solares são arcos de plasma conduzidos pelo campo magnético em uma região ativa do Sol. Quando esse campo magnético se rompe, o próprio filamento escapa como um estilingue, resultando em explosões de intensidade variada.

Assim como as erupções causadas por manchas solares, aquelas provocadas por filamentos podem resultar em ventos solares mais intensos e ejeções de massa coronal, que acontecem quando uma imensa quantidade de plasma da coroa solar é expelida.

Enquanto as erupções solares liberam radiação desde ondas de rádio até os raios X e raios gama, provocando interferências em transmissões de rádio na Terra, as ejeções de massa coronal enviam partículas carregadas que geram tempestades geomagnéticas.

Fonte: Spaceweather.com, EarthSky

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade