PUBLICIDADE

Respondemos as perguntas mais comuns sobre veganismo

Perguntas sobre veganismo são frequentes, compilamos algumas e respondemos de maneira prática e direta.

24 mai 2023 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Vegetais
Vegetais
Foto: CanvaPro

São as dúvidas que fazem com que aprendamos e conheçamos cada vez mais, sem duvidar ou questionar não saímos do lugar. E quando o assunto é veganismo, estilo de vida sem nada de origem animal as dúvidas são infinitas. 

No entanto, o senso comum atribui uma série de questionamentos e respostas automáticas para questões relacionadas à alimentação e o estilo de vida sem nada de origem animal. Isso acaba gerando desinformação, preconceito e resistência.

A dificuldade de encontrar informações sérias, ou até reflexões profundas e realistas sobre determinados assuntos está escassa, a corrida por like e clique fez com que as pessoas parassem de se preocupar com a qualidade da informação.

Vamos tentar responder algumas perguntas sobre o estilo de vida sem nada de origem animal, baseado em nossa experiência, dados, estudos e evidências comprovadas.

A alimentação vegana ajuda a perder peso?

A perda de peso é muito relativa e envolve uma série de circunstâncias, que perpassam desde estilo de vida à genética e está relacionada com o déficit calórico.

Mas, de modo geral, se você se tornar vegano e tiver uma alimentação baseada em produtos ultraprocessados, consumir uma grande quantidade de carboidrato, rica em açúcar, gordura e sal, a resposta é: dificilmente.

Agora, se você tiver uma alimentação baseada em vegetais, comer de maneira equilibrada e saudável, praticar exercícios físicos regularmente, é bem provável que sim. Mas o veganismo em si, não é responsável por isso.

Contudo, é importante salientar que produtos de origem animal são ricos em gorduras ruins e ricos em colesterol, o que facilita o acúmulo de gordura corpórea. 

Ao abolir esses produtos da dieta, é bem provável que o acúmulo de gordura seja menos eficiente. Mas como mencionado, há uma série de questões a serem consideradas quando se trata de perder peso, não é possível cravar nada com certeza, cada caso é um caso.

Como substituir o leite?

Primeiramente, é importante compreender que não é necessário substituir nada, se livrar dessa ideia de substituição é o melhor caminho. Entretanto, considerando a atual conjuntura e a dificuldade de transição, é fundamental ter algumas opções para 'substituir' o leite. Discursar sobre não precisar substituir nada é muito fácil, só que, na prática, a história é outra. 

Não vamos indicar que compre caixinha de leite vegetal no supermercado, porque embora seja bem saboroso, o preço é salgado. É possível fazer uma série de leites vegetais em casa, baratos, rápidos e nutritivos. O que mais tomamos atualmente é o leite de amendoim. Você pode fazer direto do amendoim, dando uma torrada na frigideira, ou com a pasta de amendoim e um pouco de água. 

Além do leite de amendoim que é o nosso favorito, existem outros tipos como leite de aveia, leite de coco, entre outros.

O consumo de soja é prejudicial em algum nível? Seu consumo é obrigatório no veganismo?

A soja é um alimento como qualquer outro, muito prática e saborosa, composta por proteínas, antioxidantes, fibras, minerais e vitaminas. Mas assim como qualquer alimento consumido em excesso pode trazer algum prejuízo. Principalmente em relação a tireoide em pessoas predispostas. Só que essa demonização da soja não faz o menor sentido, podemos ter um consumo regular tranquilo, aliás, considerando seu nível de proteína, é muito indicado para veganos.

E respondendo a segunda pergunta, óbvio que não. Embora seja um alimento com importância em termos de proteína, o seu consumo não é obrigatório, haja vista a quantidade de alimentos vegetais que contém proteína. Se você não quer, ou não gosta, não precisa consumir. Desde que você tenha uma alimentação rica em proteína e com boa variedade, está tudo certo.

E os ovos, como substituir? 

O importante é entender que não precisa de uma substituição complexa, com alimentos específicos e muito menos utilizar esses alimentos exóticos que circulam nas redes sociais, para substituir os produtos de origem animal, e muito menos os ovos. Com uma refeição completa é possível ter todos os nutrientes necessários para manter um corpo saudável e sem deficiências.

Falando em substituição dos ovos em receitas é muito simples, a banana amassada, a linhaça ou a chia, são alimentos que substituem a função do ovo em algumas receitas. Pode substituir 1 ovo por ¼ de xícara (chá) de purê de banana ou de maçã também. Existe uma infinidade de possibilidades. Se realmente não queremos contribuir com o sofrimento animal, existe um caminho. 

Como saber se estou ingerindo proteína suficiente?

Basicamente todos os alimentos, independente da origem, tem proteína, claro que em quantidades diferentes. Mas, consumindo a quantidade de calorias necessária em um dia, você obtém a quantidade necessária de proteína.

O consumo indicado para adultos não muito ativos é de cerca de 0,80g de proteína por quilo de peso corporal, diariamente. Isso corresponde a 55g para homens e 45g para mulheres. Duas porções de leguminosas (feijões, lentilha, soja, ervilha) já é o suficiente.

Além disso, consumir amendoim e derivados, como a pasta ou manteiga de amendoim, é uma ótima forma também. Pois o amendoim é acessível, e versátil. Não deixe de combinar grãos e cereais, principalmente o arroz e feijão, essa dupla é fundamental. 

A nossa sociedade consome proteína em excesso, o que é nocivo à saúde, não há necessidade de comer arroz, feijão e carne, por exemplo, são duas fontes de proteína. Nem mesmo suplementar. A não ser em casos de doença e necessidade fisiológica.

Vegano Periférico Leonardo e Eduardo dos Santos são irmãos gêmeos, nascidos e criados na periferia de Campinas, interior de São Paulo. São midiativistas da Vegano Periférico, um movimento e coletivo que começou como uma conta do Instagram em outubro de 2017. Atuam pelos direitos humanos e direitos animais por meio da luta inclusiva e acessível, e nos seus canais de comunicação abordam temas como autonomia alimentar, reforma agrária, justiça social e meio ambiente.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade