PUBLICIDADE

Fórmula 1: quem são os patrocinadores da Red Bull

No segundo texto desta série, mostramos quem são os patrocinadores da equipe Red Bull Racing Honda

4 mai 2021 18h48
| atualizado às 22h21
ver comentários
Publicidade
O RB16B é mais do que uma simples evolução do carro de 2020, de acordo com a equipe.
O RB16B é mais do que uma simples evolução do carro de 2020, de acordo com a equipe.
Foto: Red Bull Racing / Divulgação

Existem times de futebol no Brasil cujas camisas possuem tantas logomarcas estampadas que muita gente costuma compará-las a macacões de piloto de F1. Na realidade, a vestimenta dos pilotos é bem mais organizada do que a maioria das camisas mencionadas, mas, para quem acompanha a principal categoria do automobilismo mundial, algumas marcas ainda continuam desconhecidas – embora seus emblemas apareçam o tempo todo durante as transmissões das corridas.

Para ajudar a esclarecer o que são e o que fazem essas empresas, preparamos um pequeno guia mostrando os patrocinadores de todas as equipes da Fórmula 1 atual. No texto anterior mostramos a Mercedes, e agora é a vez da Red Bull.

Red Bull: provavelmente a marca de bebidas energéticas mais conhecida do mundo, foi fundada pelo austríaco Dietrich Mateschitz, que se inspirou em uma bebida que conheceu na Tailândia para criar o energético. O nome se deve a um dos componentes estimulantes da bebida, a taurina – embora isso não seja confirmado oficialmente. Além da F1, a Red Bull patrocina equipes e atletas nas mais variadas modalidades, que incluem futebol, corridas aéreas e esportes radicais. Dizem que a empresa vende mais de 5 bilhões de latas do energético anualmente, em mais de 140 países.

Honda: embora seja mais conhecida por suas motocicletas (principalmente no Brasil, onde domina o mercado), a marca japonesa tem uma relação quase sentimental com os fãs do automobilismo no País, já que seus motores equipavam os carros que levaram Ayrton Senna (por três vezes) e Nelson Piquet (uma) ao título mundial de pilotos. Como equipe, porém, a Honda não foi tão bem sucedida na Fórmula 1, tendo participado do Mundial em duas ocasiões: de 1964 a 1968 e, mais recentemente, de 2005 a 2008. Aliás, vale lembrar que o atual contrato de fornecimento de motores para a Red Bull termina no fim deste ano, quando a montadora também deixa a categoria.

O carro desta temporada, visto de um ângulo diferente.
O carro desta temporada, visto de um ângulo diferente.
Foto: Red Bull Racing / Divulgação

Citrix: empresa americana da área de informática, fornece servidores que permitem criar desktops virtuais, facilitando o trabalho remoto e o armazenamento de dados em nuvem.

Rauch: fabricante de bebidas – principalmente sucos e chás – a Rauch Fruchtsäfte é uma empresa austríaca que também se especializou na operação de envasamento, e, atualmente, é parceira da Red Bull responsável por cuidar dessa operação.

Oracle: de origem americana, a Oracle Corporation é especializada no desenvolvimento e na venda de programas (softwares) e de equipamentos ligados ao gerenciamento de bancos de dados.

Mobil 1: óleo lubrificante de base sintética para motores de combustão interna, atualmente é o produto topo de linha da Mobil, com diversas especificações (incluindo motores de motocicletas).

Telcel/Infinitum/Claro: a primeira é uma empresa mexicana de telecomunicações sem fio e principal operadora de telefonia celular do México. A segunda é a operadora de banda larga e TV por assinatura do mesmo país. A terceira é a concessionária que atua nas áreas de telefonia (fixa e móvel), banda larga e TV por assinatura no Brasil e em diversos países da América Latina. Todas fazem parte do grupo América Móvil.

Nos macacões da equipe Red Bull, só há uma marca diferente, a da austríaca A1 Telekom.
Nos macacões da equipe Red Bull, só há uma marca diferente, a da austríaca A1 Telekom.
Foto: Red Bull Racing / Divulgação

Tag Heuer: a Heuer era uma renomada marca suíça de relógios, fundada em 1860, que foi adquirida em 1985 pela TAG (Techniques d’Avant Garde, empresa criada pelos sauditas Akram e Mansour Ojjeh). Atualmente, além dos relógios, a empresa comercializa acessórios de moda.

Pirelli: a fabricante italiana de pneus é a atual fornecedora exclusiva para a Fórmula 1.

Siemens: oficialmente, se chama Siemens Aktiengesellschaft (sociedade por ações, em alemão, ou, como conhecemos, S.A.) e é um dos maiores conglomerados do planeta. Originalmente a empresa produzia apenas equipamentos de telecomunicação, mas foi diversificando suas atividades com o passar do tempo, e hoje está presente nos setores de material elétrico, softwares, energético, transportes, eletrodomésticos, segurança patrimonial, entre outros.

Walmart: multinacional americana, é uma gigante do ramo varejista. No Brasil, porém, suas lojas não tiveram sucesso, e a empresa passou a operar sob a marca Big, com nova estratégia.

Esso: marca pertencente ao grupo petroquímico americano Exxon Mobil, foi muito popular por identificar postos de combustível no Brasil. Curiosidade: o nome deriva das iniciais de Standard Oil Company (S e O, pronunciados em inglês).

Puma: fabricante alemã de equipamentos esportivos, fornece os uniformes e os calçados de todos os integrantes da equipe, incluindo os macacões de pilotos e mecânicos.

FIA Action for Road Safety: campanha mundial lançada pela FIA (Federação Internacional do Automóvel) para contribuir com a Década de Ações Pela Segurança no Trânsito, criada pela ONU, em 2011.

Inter protección: empresa mexicana de seguros, fundada em 1978.

Nos macacões:

A1 Telekom Austria Group: principal empresa austríaca de telecomunicações, atua nos segmentos de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV por assinatura, entre outras. Pertence ao grupo América Móvil, do mexicano Carlos Slim.

Parabólica
Publicidade
Publicidade