PUBLICIDADE

Falhas em série permitiram que policial britânico cometesse estupro e homicídio contra uma mulher

Wayne Couzens, de 51 anos, cumpre pena de prisão perpétua após ser condenado, em 2021, por assassinar e matar Sarah Everard

29 fev 2024 - 20h16
(atualizado em 1/3/2024 às 09h29)
Compartilhar
Exibir comentários
O caso do policial britânico que estuprou e matou uma mulher chocou o país
O caso do policial britânico que estuprou e matou uma mulher chocou o país
Foto: iStock/coldsnowstorm

Uma investigação sobre o caso de um policial britânico que estuprou e matou uma mulher — crime que chocou o país — concluiu nesta quinta-feira que, sem uma revisão abrangente dos procedimentos que falharam, nada poderá evitar casos semelhantes.

Violência contra mulher: conheça os 5 tipos Violência contra mulher: conheça os 5 tipos

Wayne Couzens, de 51 anos, cujo trabalho era proteger instalações diplomáticas em Londres, cumpre pena de prisão perpétua após ser condenado, em 2021, por assassinar e matar Sarah Everard, a quem sequestrou em uma rua de Londres usando suas credenciais de policial para forçá-la a entrar em seu carro.   

Ele se declarou culpado de três outras acusações por se expor. No total, o inquérito concluiu que oito crimes foram denunciados -- mas sem que qualquer ação fosse tomada sobre eles -- antes da morte de Everard, uma executiva de marketing de 33 anos.   

Elish Angiolini, que chefiou a investigação, afirmou que uma série de falhas de verificação e de análise contra Couzens fizeram com que os alertas fossem repetidamente ignorados, mas que ele "poderia e deveria" ter sido impedido de cometer os crimes.   

"Wayne Couzens nunca foi apto a ser um policial", disse Angiolini. "E sem uma revisão significativa, não há nada que impeça outro Couzens de operar à vista de todos."

Depois que os crimes de Couzens vieram à tona, Mark Rowley, chefe da Polícia Metropolitana de Londres (MPS), iniciou um grande expurgo da força.

Desde então, outros policiais em serviço foram condenados por crimes sexuais graves, incluindo um que cometeu 24 estupros. Um relatório do ano passado concluiu que a MPS era institucionalmente racista, misógina e homofóbica.

"A escala da mudança que é necessária inevitavelmente significa que levará tempo", disse Rowley nesta quinta-feira em resposta às conclusões da investigação.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, referiu-se ao caso como um "crime aterrorizante e abominável que abalou o país na sua essência".

Angiolini disse haver evidências suficientes de que Couzens pode ter cometido um sério crime contra uma menor de idade antes de se tornar policial, e que ele tinha preferência por pornografia violenta.   

Ele se juntou à polícia de Kent como voluntário, apesar de ter sido reprovado em uma entrevista e em uma verificação sobre sua história. A instituição não investigou uma informação de possível assédio, apesar de testemunhas terem identificado o seu carro na cena.   

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade