PUBLICIDADE

O que é ser pardo? Entenda o significado do termo

Pessoas que se autodeclaram pardas são a maioria no Brasil. Mas o que o termo significa e de onde surgiu?

12 set 2023 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Entenda o que é ser pardo e como surgiu o termo
Entenda o que é ser pardo e como surgiu o termo
Foto: Anchiy / iStock

Apesar do termo pardo ser comumente usado por pessoas na hora de declarar sua cor — e até mesmo considerado para o Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) —, existe muita discussão sobre o fato de as pessoas serem pardas ou apenas pretas com tons diferentes de pele.

É fato que, em um país tão diverso e miscigenado quanto o Brasil, com pessoas que descendem de diversas etnias e muitas misturas entre elas, fica difícil definir qual a cor da pele de sua população. 

Porém, tanto por uma questão identitária quanto pela questão estatística, é preciso entender qual é a diferença do pardo para os outros grupos de cores considerados pelo IBGE e utilizados para descrever a população.

O que é pardo?

O termo pardo foi usado pela primeira vez pelos portugueses após a chegada ao Brasil, em 1500.

Um dos primeiros registros vem das cartas escritas por Pero Vaz de Caminha, em que ele usava o termo para descrever os povos indígenas originários do Brasil, que não eram tão claros para serem considerados brancos como os europeus e nem tão escuros para serem considerados negros como os escravizados por eles.

Com o passar do tempo, o termo — que vem do latim "pardus" e também foi usado para batizar os pardais, aves vindas do Oriente Médio para a América — se adaptou para designar pessoas que nasciam da mistura entre indígenas, europeus e africanos.

Ou seja, eram chamadas de pardas as pessoas que eram descendentes da miscigenação entre brancos e negros, negros e índigenas ou índigenas e brancos.

Em 1890, o termo pardo caiu em desuso e foi substituído por "mestiço". Isso durou até 1940, quando, na era Getúlio Vargas, o censo voltou a utilizar "pardo" para classificar pessoas que não se viam nem como brancas, nem como negras.

Quem é considerado pardo?

Existem três métodos de fazer a identificação racial de uma pessoa: a autodeclaração, a heteroidentificação e a identificação biológica.

A autodeclaração acontece quando o indivíduo, ao ser perguntado sobre sua cor ou etnia, identifica o grupo ao qual ele pertence. Ou seja, é a própria pessoa que se insere em um grupo racial.

Já a heteroidentificação, ao contrário da autodeclaração, é quando outra pessoa classifica um indivíduo em um grupo.

A identificação biológica, por fim, é feita com a análise dos genes da pessoa, classificando-a em um dos grupos.

No Brasil, para a elaboração do Censo Demográfico, uma pessoa pode se identificar como parda ou ser identificada dessa forma por outro indivíduo. Então, é muito comum encontrar brasileiros se autodeclarando como pardos.

O que é preto?

Preto é um termo que, atualmente, é usado para designar pessoas que são afrodescendentes.

Antigamente, ele era usado para classificar apenas pessoas africanas trazidas para o Brasil para serem escravizadas. Os descendentes dessas pessoas nascidas por aqui eram denominados "crioulos", mas o termo caiu em desuso e é considerado uma ofensa racista atualmente.

Quais são as cores segundo o IBGE?

O IBGE classifica a população brasileira em cinco cores/raças diferentes. São elas:

  • Preto, que são pessoas afrodescendentes, que possuem características que indicam ascendência africana ou que se autodeclaram negras;
  • Pardo, que são pessoas descendentes da miscigenação entre duas raças ou se autodeclaram pardas;
  • Branco, que são pessoas com características físicas que são associadas à população europeia ou que se autodeclaram brancas;
  • Índigena, que são pessoas descendentes dos povos indígenas e originários do Brasil e vivem em aldeias, áreas quilombolas ou cidades;
  • Amarela, que são pessoas ou descendentes de asiáticos, sejam elas japonesas, chinesas ou coreanas.

O que é colorismo?

É comum que a discussão sobre pessoas serem pardas ou pretas venha acompanhada da discussão sobre colorismo.

Isso porque o colorismo é um termo usado para explicar as diferentes tonalidades de pele negra, que variam de um tom mais claro — que geralmente é o tom de pele das pessoas consideradas "pardas" — a um tom mais escuro — associado a pessoas negras.

O colorismo pode ser usado de uma forma racista, pois utiliza essa diferença de cor para facilitar a vida das pessoas que têm a pele negra mais clara, enquanto dificulta a vida de quem tem a pele escura.

Ou seja, o colorismo é um tipo de racismo onde pessoas da mesma raça são tratadas de maneira diferente com base nos tons de sua pele. Então, pessoas pardas teoricamente sofrem menos racismo e tem uma vida mais facilitada na sociedade devido a esse conceito.

Afinal, é certo falar que alguém é pardo?

Há algumas críticas em relação ao uso do termo "pardo" para descrever a cor de alguém. Isso porque basta uma breve observação da história do país para perceber que esse era um termo usado para separar brancos das pessoas não brancas — pretas e indígenas.

E ainda, ele era usado para tornar a população brasileira mais branca: podiam existir pessoas que não eram totalmente brancas como na Europa, mas elas também não eram negras, já que eram pardas e, consequentemente, mais claras do que a populacão que sofria com a escravidão e o racismo.

Apesar dessas implicações, é correto usar o termo pardo quando a pessoa se identifica como tal. Segundo o IBGE, 45,3% dos brasileiros se declaram como pardos, tornando esse o maior grupo étnico do país. Ou seja, não considerar essas pessoas como elas se autodeclaram seria como apagar suas identidades.

Continue a aprender sobre pautas sociais com a editoria Nós do Terra!

Fonte: Redação Nós
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade