PUBLICIDADE

Jogamos: The Division Resurgence traz RPG de tiro para celular

Game mobile traduz sistemas tradicionais da série para a tela de toque e reimagina Zona Cega

12 jun 2023 - 15h20
(atualizado às 15h21)
Compartilhar
Exibir comentários
The Division: Resurgence traduz RPG de tiro em terceira pessoa da Ubisoft para dispositivos móveis
The Division: Resurgence traduz RPG de tiro em terceira pessoa da Ubisoft para dispositivos móveis
Foto: Reprodução / Ubisoft

The Division: Resurgence é uma das próximas apostas da Ubisoft, mas em uma plataforma um pouco diferente da habitual. O novo jogo da franquia Tom Clancy chega em breve aos dispositivos Android e iOS e tem a missão de repetir o considerável sucesso que The Division teve no PC e consoles, onde já soma 20 milhões de jogadores.

Quer conhecer outros jogadores, saber das últimas novidades dos games e ter acesso a brindes e campeonatos? Participe do nosso Discord!

Assista ao trailer de jogabilidade de The Division: Resurgence:

Adaptando The Division para o celular

Para alcançar o feito, os desenvolvedores tiveram trabalho. O diretor criativo Jonathan Lavergne disse ao Game On que, "foram necessárias várias adaptações nos controles para garantir a mesma experiência de jogabilidade, ao mesmo tempo em que os controles sensíveis ao toque fossem confortáveis".

"Isso requereu mais opções de personalização dos layouts de controles e ajustes em algumas mecânicas do jogo como, por exemplo, tornar mais fácil entrar e sair de coberturas e alternar entre elas", complementa. E esses detalhes são rapidamente percebidos no jogo. Durante o acesso antecipado ao qual o Game On teve acesso, foi possível personalizar todo o HUD, incluindo posicionamento, tamanho e transparência dos comandos.

Isso é essencial em jogos do gênero. O excesso de comandos disponíveis ao simples toque exige um certo tempo de adaptação, mas essa foi tarefa fácil após alguns pequenos ajustes. Se movimentar pelo cenário e usar as coberturas se tornou intuitivo - apesar de alguns tiros disparados acidentalmente - e o auxílio de mira, que também pode ser desligado, é útil para jogadores sem muita experiência com o gênero em dispositivos móveis. 

Outro desafio encontrado pela equipe foi manter a mesma experiência de jogo para todos, independente de qual dispositivo está sendo usado. Resurgence foi desenvolvido em Unreal Engine e mostra todo o poder do motor gráfico, apresentando gráficos impressionantes e um excelente desempenho durante nossos testes em um iPhone 12, mas também traz diferentes níveis de configuração, permitindo que os jogadores possam aproveitar todo o conteúdo em dispositivos mais básicos.

Outra característica que Resurgence traz de seus irmãos de console é a personalização, desde estilo de jogo até aparência do personagem. Há muito conteúdo personalizável no jogo e, ainda segundo Lavergne, "as possibilidades são potencialmente maiores do que em The Division e The Division 2. É um elemento presente desde o início, quando o jogador precisa escolher a especialização de seu personagem - que pode ser alterada em qualquer momento do jogo -, e que alcança todas as armas e equipamentos, permitindo construir uma build exatamente como se deseja".

E por mais opções que o jogo apresente, ainda mais quando se leva em consideração tudo o que os inúmeros conjuntos de equipamentos oferecem, é simples aprender tudo o que o personagem pode fazer. A sensação de progressão é bastante orgânica, mesmo que algumas habilidades exijam mais do que pontos para serem aprimoradas, o que dá um peso especial às missões de campanha em que recursos importantes para a evolução são adquiridos.

"Há também, claro, itens cosméticos, que permitem mudar completamente a aparência do personagem e trazem desde opções mais divertidas até mais sombrias", complementa Lavergne. E isso traz um possível problema à tona, que já assombra tantos outros jogos mobile: a monetização. Resurgence terá passes de temporada e vários outros itens que podem ser adquiridos com dinheiro real, resta saber como a Ubisoft irá administrar esse elemento para que ele não seja agressivo demais e torne o jogo prazeroso apenas para aqueles dispostos a investir.

Zona Cega reimaginada

Um dos grandes destaques de Resurgence é a Zona Cega. Um dos lugares mais perigosos e recompensadores da série está presente no jogo mobile, mas foi completamente remodelado: "Em Resurgence, a Zona Cega será uma sessão com tempo limitado, e não parte do mundo aberto como nos outros jogos", apontou Lavergne.

"Ela não é exatamente como um Battle Royale, mas se aproxima do estilo: existe um matchmaking com outros jogadores, que têm até 20 minutos para explorar e extrair o máximo de espólios que conseguirem - sem serem mortos enquanto fazem isso, por outros jogadores ou pela infecção", finalizou o diretor.

Se aventurar pelas Zonas Cegas é o mais divertido em The Division: Resurgence. Os perigos são muitos, e lidar com o tempo, inimigos, infecção e possíveis traidores não é fácil, mas as recomensas justificam os riscos. O tempo das sessões agrada e pode ser o suficiente para fazer os jogadores voltarem para mais uma partidinha.

The Division: Resurgence ainda não tem data de lançamento definida, mas chega no final de 2023. O jogo está em desenvolvimento para Android e iOS.

Fonte: Game On
Compartilhar
Publicidade
Publicidade