PUBLICIDADE
Logo do

São Paulo

Meu time

Crespo prega paciência após empate: "Estamos sempre com situações físicas complicadas"

22 set 2021 23h41
| atualizado às 23h41
ver comentários
Publicidade

O técnico Hernán Crespo pregou paciência após o empate sem gols com o América-MG, no Morumbi, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, o São Paulo novamente não teve uma boa atuação e viu o adversário criar as principais oportunidades de gol, mas o comandante argentino, pelo menos por enquanto, prefere aguardar por melhores condições físicas de alguns de seus atletas para, aí sim, passar a exigir um desempenho melhor.

A escolha de Crespo por Pablo no ataque, já que Luciano está com conjuntivite, gerou questionamentos, uma vez que Eder era opção no banco de reservas. Calleri e Marquinhos, por sua vez, foram descartados entre os titulares por ainda estarem longe da forma física ideal.

"A escalação não se faz apenas com questões físicas ou técnicas, tem também as bolas paradas. O fato que Pablo esteja em campo podia dar soluções defensivas e ofensivas. Eder e Benítez não ajudam com a altura, mas acreditávamos que a ideia de jogar com Sara, Nestor, Igor Gomes, Rigoni e Pablo era suficiente para ganhar o jogo. Infelizmente, não aconteceu. Quando a equipe não ganha, quem está fora é o melhor jogador em campo", disse Crespo.

O treinador argentino também externou as grandes expectativas que tem em relação a Jonathan Calleri, xodó da torcida são-paulina e que tem a enorme responsabilidade de ser o goleador que o clube tanto esperava.

"Infelizmente, você não pode vir aos treinos, não pode ver a condição técnica de Calleri. Ele não joga desde abril, cinco meses sem jogar, está há 15 dias com a gente. Jogou 15 minutos domingo, então acredito que 15 minutos são o suficiente para que ele não se lesione. Ele não está em condições de jogar como titular. Ele precisa de tempo. Vamos ver quanto tempo ele precisa para voltar a fazer o que esperamos dele, porque esperamos muito", disse Crespo.

Marquinhos, que seria outra boa alternativa para furar o forte sistema defensivo do América-MG, até entrou no segundo tempo, mas mostrou que precisa trabalhar duro para retomar o nível que apresentou quando subiu ao profissional, sendo decisivo nas oitavas de final da Libertadores, contra o Racing.

"Marquinhos voltou depois de 50 dias, claramente não posso esperar que seja o Marquinhos de 50 dias atrás, mas deve começar a jogar. Então, um por uma coisa, outro por outra coisa, sempre estamos atrás de situações físicas complicadas. Mas, temos que ter paciência para que esses grandes jogadores possam voltar fisicamente ao topo", concluiu.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade