2 eventos ao vivo

Atletas da Superliga temem concorrência com 'mercado trans'

Jogadoras mostram preocupação com a presença de Tifanny, primeira transexual a disputar a competição nacional. Treinador do Pinheiros revela ter recebido ofertas por outras trans

10 jan 2018
15h20
atualizado às 15h37
  • separator
  • comentários

A presença de Tifanny na Superliga feminina de vôlei tem preocupado atletas e pode até ter dado início a um mercado de atletas transsexuais no país. Adversárias da oposto nas últimas rodadas do torneio nacional afirmam que a força da atleta é acima da média. E clubes já começaram a receber propostas de outras transsexuais dispostas a ingressar na elite.

Tifanny voltou a se destacar pelo Bauru. Foram 24 pontos na vitória sobre Brasília (Foto: Neide Carlos/Vôlei Bauru)
Tifanny voltou a se destacar pelo Bauru. Foram 24 pontos na vitória sobre Brasília (Foto: Neide Carlos/Vôlei Bauru)
Foto: LANCE!

- Não só ouvimos falar de outras como já recebi contatos. Tem gente que liga procurando espaço no clube como atleta. Empresários ligam dizendo que têm atleta disponível - disse o técnico do Pinheiros, Paulo de Tarso, em entrevista à "Veja".

A equipe do comandante foi uma das vítimas de Tifanny. O Bauru levou a melhor sobre o time da capital por 3 a 1, com 25 pontos da atacante. Atletas que estiveram em quadra naquela partida, em dezembro, revelaram à "Veja" o sentimento de desconforto com a situação.

- Depois de nossa partida contra o Bauru, quando a Tifanny recebeu o troféu de destaque do jogo, eu disse que sempre que ela estiver em quadra, ninguém mais vai ganhar. Ela sempre vai se destacar, sempre estará acima das outras - afirmou a ponteira Mari Cassemiro, do Pinheiros, à publicação.

Capitã da equipe de São Paulo, a ponta Vanessa Janke demonstrou preocupação com o futuro do vôlei para as mulheres:

- Se isso aumentar nos próximos anos, nós mulheres vamos perder espaço. A trans tem maior vantagem física. Todo clube vai querer contratar uma.

O médico Paulo Zogaib, professor de medicina esportiva da Unifesp, explicou em entrevista à "Veja" que a vantagem física de Tifanny existe pelo fato de a cirurgia para mudança de sexo ter acontecido quando ela já tinha 30 anos.

- Ela passou boa parte da vida com uma produção hormonal muito maior do que uma produção hormonal feminina. Isso acaba influenciando no tamanho dos órgãos, coração, pulmões, a parte óssea, ou seja, as alavancas do aparelho locomotor. Então, isso cria diferenças em relação às mulheres e faz com que ela tenha um desempenho melhor. Não é pura e simplesmente o controle de testosterona na circulação - afirmou Zogaib.

Enquanto o debate acontece nos bastidores, Tifanny vem roubando a cena pelo time do interior paulista. Ela já marcou 94 pontos em apenas quatro partidas da Superliga, o que resulta em média de 23,5 acertos por jogo. A última atuação foi na noite de terça-feira, na vitória sobre o BRB/Brasília Vôlei por 3 a 1. Ela ainda foi eleita a melhor em quadra, em votação popular.

- É uma questão muito nova. O que temos tentado passar para a Tifanny é tranquilidade. Quem lida com essas questões com os órgãos competentes é a diretoria, não nós. Ela vem se destacando, claro. Mas é importante lembrar que no jogo contra o Fluminense, tínhamos a Paula com lesão, e isso sobrecarregou a Tifanny - disse o técnico do Bauru, Fernando Bonato, ao Sportv.

A presença de Tifanny no esporte feminino está de acordo com as regras atuais do Comitê Olímpico Internacional (COI). Mas a entidade divulgará em fevereiro critérios mais rígidos para permitir que trans compitam com mulheres.

Veja também:

'Não abro mão do respeito': o cotidiano de uma trans como professora, pastora e mãe
LANCE!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade