PUBLICIDADE

Estratégia de Bolsonaro deixa Bonner e Renata sem respostas

Presidente ignora a maioria dos contatos do ‘Jornal Nacional’ para rebater matérias desfavoráveis a ele e seu governo

5 fev 2021 11h15
| atualizado às 11h21
ver comentários
Publicidade

Uma mesma frase sai quase todas as noites da boca dos âncoras do Jornal Nacional: “O Palácio do Planalto não quis comentar”. Há uma variante: “O Palácio do Planalto não quis se manifestar”. William Bonner e Renata Vasconcellos informam ao público sobre o silêncio da Presidência da República após matérias com contestações sobre atitudes de Jair Bolsonaro ou atos de seu governo.

Na quinta-feira (4), aconteceu mais uma vez: ninguém da cúpula do Executivo em Brasília quis comentar reportagem sobre os R$ 37 milhões que a administração federal deixou de usar no combate à pandemia de covid-19 em 2020.

Corra, Bolsonaro, corra: presidente foge das matérias contestadoras do ‘Jornal Nacional’
Corra, Bolsonaro, corra: presidente foge das matérias contestadoras do ‘Jornal Nacional’
Foto: Sala de TV

Ignorar o espaço oferecido pelo ‘JN’ tem prós e contras. De um lado, o presidente passa a seus apoiadores a mensagem de que não precisa do jornalismo da Globo, tão prestigiado por outras lideranças políticas ávidas por aparecer no horário nobre da televisão. Ele prefere retrucar o telejornal no Twitter ou nas conversas informais com apoiadores na saída do Alvorada.

Na outra ponta, Bolsonaro perde importante vitrine: cerca de 55 milhões de brasileiros acompanham o ‘JN’ a cada edição. Aparecer ali por poucos segundos garante autopromoção valiosa. Respostas convincentes poderiam, teoricamente, melhorar a popularidade do presidente.

Escrito pouco depois de 1500 pelo florentino Nicolau Maquiavel, ‘O Príncipe’ é considerado um guia para o político obstinado a dominar o povo e se manter no poder. Traz conselhos atemporais sobre como lidar com a inevitável oposição.

“Você tem de eleger seus inimigos”, diz o autor, considerado ‘pai’ da ciência política. Jair Bolsonaro provavelmente nunca leu a obra, mas, instintivamente, aplicou essa orientação ao escolher a Globo — e especificamente o ‘Jornal Nacional’ — como seu inimigo número 1 na mídia.

Ele se beneficia do movimento antiGlobo, marcado por um slogan usado também como hashtag: #GloboLixo. Essa ojeriza à emissora é bem anterior à ascensão do bolsonarismo. Popularizou-se na era Lula-Dilma, justamente por recorrentes críticas e denúncias contra ambos no ‘JN’.

A partir dos protestos de rua de 2013, vários repórteres do canal foram vítimas de hostilização e agressão física. Nas redes sociais surgiram inúmeras tentativas de boicote à Globo. A análise dos índices mostra que a audiência nunca foi afetada por essa onda de reprovação e ódio.

Os ataques de Bolsonaro à TV da família Marinho — intensificados ainda no período da campanha presidencial, em 2018, e cada vez mais chulos nos dois primeiros anos de mandato — levaram mais gente a sintonizar o ‘Jornal Nacional’ na expectativa de ver o circo pegar fogo. Todo mundo quer saber como Bonner e Renata vão reagir aos xingamentos e deboches do presidente.

Para decepção dos haters da Globo, os apresentadores nunca tiveram reação colérica. Será que ambos leram Maquiavel? É do autor de ‘O Príncipe’ um palpite sobre como enfrentar a fúria verbal dos inimigos: “Eu creio que um dos princípios essenciais da sabedoria é o de se abster das ameaças verbais ou insultos”.

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade