0

De novo no ar, Fina Estampa teve mistério gay nunca revelado

Novela agora reprisada na Globo foi criticada por exibir personagem que reforçava o arquétipo da 'bicha louca'.

24 mar 2020
10h54
atualizado às 10h57
  • separator
  • 0
  • comentários

Escrita por Aguinaldo Silva, recém-dispensado pela Globo, Fina Estampa voltou à faixa das 21h da Globo ontem, 23 de março, exatamente oito anos depois da exibição de seu último capítulo, o de número 185. A transmissão original foi um sucesso de audiência: média de 39 pontos, a mesma do maior fenômeno dramatúrgico da década, Avenida Brasil (2012), vista atualmente no Vale a Pena Ver de Novo.

As protagonistas Griselda 'Pereirão' (Lilia Cabral) e Tereza Cristina (Christiane Torloni) enfrentaram um ladrão de cena, o mordomo Crô (Marcelo Serrado). O personagem garantiu overdose de humor ao folhetim. Ele guardava um dos maiores segredos da trama: a identidade de seu amante 'hétero' com tatuagem de escorpião no pé direito.

Crô (Marcelo Serrado) com o amante secreto: ninguém sabe, ninguém viu
Crô (Marcelo Serrado) com o amante secreto: ninguém sabe, ninguém viu
Foto: Globo / Reprodução

Ao longo da novela, o público e a imprensa elegeram alguns candidatos a namorado secreto de Crô. Um dos mais cotados foi o motorista machista e homofóbico Baltazar (Alexandre Nero). Os dois agiam como cão e gato. Ao mesmo tempo desenvolveram uma amizade inusitada apoiada pelo público. Tanto que a dupla estrelou no ano seguinte a comédia Crô: o Filme.

Diante da alta expectativa pela revelação do par romântico do mordomo tresloucado, Aguinaldo Silva — um dos primeiros militantes gays no jornalismo brasileiro da década de 1970 — decidiu irritar (e frustrar) o telespectador. Na esperada cena do último capítulo, o caçoísta Crô informa ao telespectador que não vai mostrar o amante. Mais uma vez só se vê os pés do tal homem. E assim foi mantido o mistério.

Em 2012, o personagem ficou longe da unanimidade. Muitos grupos gays criticaram o reforço do estereótipo do homossexual escandaloso e ninfomaníaco, alvo preferencial da crítica dos conservadores. O ativista LGBTI+ Agripino Magalhães, de São Paulo, acredita que pouca coisa mudou desde então.

Ativista LGBTI+ Agripino Magalhães diz que o personagem Crô não contribui para o combate da homofobia e transfobia
Ativista LGBTI+ Agripino Magalhães diz que o personagem Crô não contribui para o combate da homofobia e transfobia
Foto: Divulgação

"Os preconceituosos continuam a nos atacar apesar de todas as conquistas de direitos nos últimos anos, como a criminalização da LGBTfobia pelo STF", diz. "Infelizmente, Crô não ajuda a causa. O personagem apenas reforça a ideia absurda de que o homossexual afeminado, cheio de trejeitos, merece ser alvo de chacota e agressão, enquanto o gay másculo deve ser respeitado."
 

 

Veja também:

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade