Terra
E-mail Chat √ćndice
 
 
Diversão  > Origami
 not√≠cias por e-mail fale conosco  

 Sites relacionados
Blog
Conexão Disney
Fotolog
Fotosite
GLS Planet
Guia de Cidades
MTV
Mundo das Crianças
Palavras Cruzadas
Portal Literal
Rádio Terra
Teatro Chik
Videokast
Virtual Books

 Fale conosco
Participe e envie suas sugestões aqui!

 Boletim
Receba as novidades por email. Grátis!

 
Arte e Cultura
Origami
Origami
Dobras, contas e encantos

“Ori” quer dizer dobrar e “gami”, papel. Origami é, além disso, uma forma de expressão. Quem manipula o papel abre uma porta para a comunicação com o outro. Dobrar papéis melhora o movimento das mãos, estimula articulações e exercita o cérebro.

Concorra a exemplares do livros

É provável que o origami seja de origem chinesa. No entanto, foram os japoneses que impulsionaram a prática e é, por isso, considerada um patrimônio da sua cultura – embora exista a tradição de dobrar papéis em países da Europa, com figuras bastante populares, como a Pajarita, na Espanha. No ocidente, Friedrich Froebel, Lewis Carrol, Harry Houdini (o mágico), Miguel de Unamuno e, muitas outras figuras importantes, envolveram-se com a arte de dobrar papéis, enxergando nela um valor pedagógico. O origami aparece em filmes - em forma de galinha, boneco, unicórnio, avião, tsuru, cisne - como em Blade Runner, Top Gun, Hardboiled, Fist of Legend, If Lucy Fell ou James and the giant peach.




Carlos Gênova, origamista há vinte anos, conheceu a arte milenar do origami durante as comemorações dos 80 anos da imigração japonesa no Brasil. Autor de diversos livros sobre o tema, apresenta agora o Origami – Dobras, contas e encantos, publicado pela Escrituras Editora, que traz receitas de origamis de animais – peixes, rãs e pererecas, beija-flores, patos, borboletas, cavalos, besouros, lagostas, cobras, escorpiões, os tradicionais tsurus (grous) –, corações, porta-retratos, envelopes, caixinhas, estrelas, tulipas, balões, cata-ventos, centauros, poliedros, prismas e exercícios geométricos motivados pela curiosidade do autor – como o bruxo, da capa do livro –, com diversos graus de dificuldade, das formações mais básicas às mais complexas.

O livro estimula o participante a medir, calcular, raciocinar, introduz noções de códigos e legendas, geometria bastante simples que contribui para que desenvolva o procedimento de estimativa visual, de comprimentos, ângulos e outras propriedades das figuras, sem usar instrumentos de desenho ou medida.

Sobre o autor:

Carlos Gênova é origamista há 20 anos, compositor autodidata e cursou Magistério e Contabilidade. Musicou No meio do Caminho, de Carlos Drumond de Andrade e atualmente compõe música instrumental. Autor de vários livros, dentre eles Esculturas em dobraduras em papel (Augustus Editora), no qual explora o teorema de Pitágoras por origami, Origami Escolar em 4 volumes (Rideel Editora), Brincando com Origami, Tangram por origami, Aves, Enfeites para festas e Animais (Global Editora), coleção esta adotada pelo Ministério da Cultura para o programa “Uma biblioteca em cada município”. É também autor de Origami - a milenar arte das dobraduras (7a edição), incluído no PNLD 2006 (Programa Nacional do Livro Didático – Secretaria de Estado da Educação de São Paulo) e Origami - dobras, contas e encantos, ambos pela Escrituras Editora. Editou várias revistas de origami e foi consultor para diversas matérias sobre o tema publicadas em veículos como Estadinho, Revista Cláudia, TV Cultura, dentre outros. Tem realizado oficinas no Campus Senac de Águas de São Pedro, para a rede pública e privada de ensino. Dois dos seus principais trabalhos – Saci Pererê sentado e esqueleto de cobra – foram publicados na Encyclopedia of Origami, A Quarto Book, England e Running Press Book Publishers, Philadelphia, Pensylvania editada em vários países da Europa e Ásia.