0

Walter Bernstein (1919 - 2021)

23 jan 2021
21h19
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/Columbia Pictures / Pipoca Moderna

O roteirista Walter Bernstein, que transformou sua amarga experiência na lista negra de Hollywood na comédia "Testa-de-Ferro por Acaso", morreu na sexta-feira (22/1) aos 101 anos.

Nascido no Brooklyn, em Nova York, Bernstein ingressou no Partido Comunista enquanto estudava na universidade de Dartmouth, e esse ímpeto estudantil acabou lhe custando perseguição política e desemprego, mesmo tendo servido, de forma patriótica, no Exército dos Estados Unidos durante a 2ª Guerra Mundial.

Depois de escrever um livro sobre suas aventuras na guerra, "Keep Your Head Down", ele resolveu seguir para Hollywood, onde ajudou na adaptação do clássico noir "Amei um Assassino" (1948). Mas ao mesmo tempo o senador Joseph McCarthy e o Comitê de Atividades Não Americanas da Câmara estavam iniciando uma caça às bruxas para erradicar os comunistas do showbusiness, que atropelaria a carreira nascente do jovem roteirista.

"Eu estava escrevendo uma série para a CBS, chamada 'Danger', escrevendo muito feliz para eles", disse o roteirista numa entrevista ao site The Hollywood Reporter. "Até que, um dia, o produtor Charles Russell me disse: 'Há um problema aqui, você tem que colocar outro nome no roteiro. Eu não sei [o que está acontecendo], eles me disseram lá em cima que não podem usar mais você."

O nome de Bernstein apareceu na lista negra, num boletim com nomes de supostos comunistas que trabalhavam em Hollywood, no verão de 1950. A única maneira de continuar sua carreira seria trair os colegas, testemunhar e apontar outros esquerdistas de Hollywood. Mas ele se recusou.

Para sua sorte, o produtor de "Danger" e alguns de seus diretores, como o futuro cineasta Sidney Lumet, decidiram arriscar suas próprias carreiras para lhe oferecer uma saída. Eles permitiram que ele continuasse escrevendo secretamente com um pseudônimo. Um dos produtores da série - e outro futuro cineasta - Martin Ritt também foi mantido na atração desta forma.

Charles Russell, inclusive, convidou Bernstein a escrever para outro programa, o jornalístico "You Are There", apresentado pelo mais famoso telejornalista dos EUA, Walter Cronkite. E assim Bernstein sobreviveu ao desemprego nos anos 1950.

Da mesma forma, ele desenvolveu roteiros de filmes sem receber créditos, incluindo o famosíssimo western "Sete Homens e um Destino" (1960).

Até que Sidney Lumet resolveu acabar com aquele absurdo. O diretor convenceu o produtor italiano Carlo Ponti que Bernstein era o melhor roteirista para um filme que ele faria com Sofia Loren, "Mulher Daquela Espécie". Sem se importar com política americana, Ponti autorizou a contratação e os créditos, acabando com o bloqueio da lista negra em 1959. Meses depois, Kirk Douglas fez o mesmo em "Spartacus", revelando o nome do roteirista Dalton Trumbo, e uma página vergonhosa de cerceamento de direitos e perseguição às liberdades foi superada nos EUA.

Livre para trabalhar, Bernstein fez parceria com o colega de lista negra Martin Ritt em "Paris Vive à Noite" (1961), uma ode ao jazz estrelada por Paul Newman, Joanne Woodward e Sidney Poitier. E entregou um de seus melhores roteiros para Sidney Lumet a seguir, "Limite de Segurança" (1964), clássico sobre o perigo nuclear da Guerra Fria, com Henry Fonda no papel de presidente dos EUA.

Depois, escreveu o thriller de ação "O Trem" (1964), dirigido por John Frankenheimer, com quem também tinha trabalhado de forma incógnita na série "Danger". E foi arriscar com Ritt um tema abertamente comunista em "Ver-te-ei no Inferno" (1970), estrelado por Sean Connery, sobre mineiros do século 19 em luta por melhores condições de trabalho.

A parceria dos dois ex-integrantes da lista negra chegou ao auge em "Testa-de-Ferro por Acaso" (1976), no qual decidiram contar suas experiências durante o período da caça às bruxas. O filme ainda juntou ao grupo Zero Mostel, ator que sofreu a mesma perseguição política e sentiu o desemprego na pele - algumas das histórias que seu personagem vive, Mostel viveu na vida real.

O plano original era apresentar o longa como uma grande tragédia, usando elementos da história de Philip Loeb, um ator na lista negra que cometeu suicídio após ser banido da indústria. Mas os executivos da Columbia Pictures acharam alguns trechos engraçados e decidiram que o filme funcionaria melhor como comédia. Para tanto, sondaram Woody Allen para o papel principal e ele surpreendentemente aceitou, tornando o filme um raro projeto que Allen estrelou sem escrever ou dirigir durante sua ascensão como autor - que lhe daria o Oscar um ano depois.

"Testa-de-Ferro por Acaso" foi aclamado pela crítica e rendeu a Bernstein sua única indicação ao Oscar de Melhor Roteiro. O filme também foi indicado ao prêmio do Sindicato dos Roteiristas, assim como o trabalho seguinte do escritor, a comédia "A Disputa dos Sexos" (1977), estrelada por Burt Reynolds. Além disso, Woody Allen gostou tanto do texto de Bernstein que decidiu homenageá-lo, convidando-o a fazer uma participação especial em "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa" (1977), grande vencedor do Oscar 1978.

Bernstein ainda adaptou o drama de guerra "Os Yankees Estão Voltando" (1979) para o diretor John Schlesinger, antes de decidir dirigir seu próprio filme, a comédia infantil "A Garotinha que Caiu do Céu" (1980). Entretanto, sua carreira cinematográfica não passou dos anos 1980, encerrando-se com o suspense neo-noir "Pesadelo na Rua Carroll" (1987), novamente sobre a lista negra, e a comédia besteirol "Uma Alucinante Viagem" (1988), com Dan Aykroyd e Walter Matthau.

Mas ele não se aposentou. Passou a dar aulas de roteiro em três universidades distintas e continuou trabalhando para a TV até ultrapassar os 90 anos de idade. O roteirista voltou a dirigir (o telefilme "Homens e Mulheres 2 - Um Jogo de Sedução", de 1991), foi indicado ao Emmy (pelo roteiro de "Miss Evers' Boys", de 1997) e até criou uma série ("Hidden", em 2011 no Reino Unido).

Sua despedida das telas, porém, foi diante das câmeras. Ele atuou pela segunda vez na vida em "Indignação" (2016), de James Schamus, com 97 anos.

Veja também:

Carla Perez é a rainha do Insta e podemos provar!
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade