PUBLICIDADE

Carnaval de SP terá tenda da PM para atender exclusivamente mulheres vítimas de crimes sexuais

Iniciativa inédita visa proteger foliãs de qualquer tipo de abuso durante os dias de folia; atendimento será feito só por policiais do sexo feminino

3 fev 2024 - 00h07
(atualizado às 07h55)
Compartilhar
Exibir comentários
Bloco de rua Bangalafumenga no pré-carnaval de São Paulo
Bloco de rua Bangalafumenga no pré-carnaval de São Paulo
Foto: Ricardo Matsukawa/Terra

A partir deste sábado, 3, e até o fim do período de carnaval, no dia 18, a Polícia Militar de São Paulo vai oferecer, durante os desfiles dos blocos, um espaço especial para atender vítimas de crimes sexuais. É a primeira vez que uma iniciativa desse tipo é adotada pela PM paulista. A tenda contará com policiais militares mulheres para receber o público feminino.

"A abordagem vai ser a mais sensível possível, por causa da situação que não é fácil para a vítima. Vamos conversar sobre o que aconteceu e verificar a situação para prosseguir com a ocorrência", afirma a capitão Daniella Fernandes Okada, responsável pelo policiamento no Parque do Ibirapuera, na zona sul da capital. A região é um dos circuitos dos megablocos, concentrando milhares de pessoas durante os oito dias de desfile.

A tenda nessa região será montada na Avenida Pedro Álvares Cabral, próxima à Assembleia Legislativa. As vítimas de importunação ou outros crimes sexuais podem ir ao espaço para denunciar. Os policiais também foram orientados a encaminhar aos locais casos flagrados durante as rondas. Nas tendas, as vítimas receberão atendimento especial e direcionamento para o registro da ocorrência.

A cabo Stephanie de Lima é uma das policiais que vão atender os casos. "A gente consegue entender na pele o que as foliãs estão passando no momento, porque também somos mulheres. Infelizmente, sabemos que acontece. Vamos escutar o que ela tem para contar e, a partir daí, tomar as providências", diz.

O coronel Renato Lopes Gomes da Silva, comandante do Comando do Policiamento de Área Metropolitana 2 (CPA/M-2), ressalta que é a primeira vez que a Polícia Militar faz esse tipo de acolhimento. "É uma mensagem clara para todas as pessoas que, se eventualmente acontecer um crime, nós estamos prontos para atendê-las".

Segundo a PM, o beijo roubado ou um toque sem permissão podem caracterizar o crime de importunação sexual. Gestos obscenos também podem ser denunciados e, dependendo da gravidade, o agressor pode sair preso do local. "Se a mulher não denunciar, vai continuar acontecendo. Quando a gente consegue coibir esse tipo de comportamento, mostra que não está passando batido. As pessoas vão adotando condutas mais adequadas", afirma a capitão Daniella.

A partir deste sábado, 20 mil policiais (15 mil militares e 5 mil civis) estarão nas ruas do Estado de São Paulo, com 6 mil viaturas, participando da Operação Carnaval 2024. A ação também terá auxílio de drones, helicópteros e embarcações. A Operação Carnaval se estende até o dia 18, com reforços durante os desfiles de blocos de rua e das escolas de samba. Além do atendimento nas delegacias, os policiais civis trabalharão em ações de inteligência, com a utilização de veículos à paisana, drones e helicóptero.

Além dos policiais a pé circulando por locais estratégicos, a segurança terá agentes à paisana para observar atitudes suspeitas e evitar crimes, avisando a central de operações.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade