PUBLICIDADE

SP-Arte marca retomada de eventos no setor cultural

Com impacto negativo de 22% nas vendas globais, mercado artístico foi amplamente afetado pela pandemia

20 out 2021 20h00
| atualizado às 20h06
ver comentários
Publicidade

Os altos índices de vacinação contra o novo coronavírus no estado de São Paulo permitem enxergar uma tão esperada luz no fim do túnel depois de quase dois anos de pandemia e inúmeras vidas perdidas. O setor cultural, praticamente paralizado a partir de março de 2020, vê indícios de uma retomada presencial com muitos cuidados e parcimônia.

Na capital paulista, a 17ª edição do Festival Internacional de Arte de São Paulo, SP-Arte, marca essa retomada no formato híbrido: É possível ver as obras expostas tanto presencialmente quanto de forma digital. Para visitar, além da obrigatoriedade do uso de máscara de proteção facial, pede-se comprovante de vacinação contra o novo coronavírus ou teste negativo de covid feito em até 48h antes da entrada no evento.

Em um galpão com cerca de 9 mil metros quadrados na Vila Leopoldina, o evento conta com 124 expositores, de galerias a projetos especiais, com grande foco na arte contemporânea e na nova geração de artistas. “É uma emoção grande. Reencontrar todo mundo em segurança, retomar o contato com as galerias, com os artistas. Ao mesmo tempo, é um grande desafio”, relata Fernanda Feitosa, diretora e fundadora da SP-Arte. 

Para Fernanda, a pandemia trouxe para o mercado uma percepção de um grande desastre no início da quarentena, em março de 2020. “Pensamos que seria maior do que o último impacto negativo, da crise de 2008, que trouxe uma queda de 30% no mercado.  No começo, pensamos que o impacto seria de 40%, 50%. Acabou sendo uma grande surpresa que a queda tenha sido de 22%.” Para ela, parte da explicação deste fenômeno seria a resiliência do mercado devido aos colecionadores de obras, camada muitas vezes mais abastada que demora a sentir a crise econômica. 

No primeiro dia do evento, nesta quarta-feira (20), o alto número de presentes e os sorrisos estampados no reencontro ressaltam a saudade do público consumidor de arte em relação à experiência presencial.  Em um galpão arejado e com grande distanciamento e uso de máscaras, o festival exibe desde artistas consagrados a novas gerações no mesmo espaço. De acordo com Fernanda Feitosa, iniciativas de inclusão têm cada vez mais norteado os critérios de seleção da SP-Arte, principalmente na revelação de jovens talentos e na inclusão de pessoas negras. 

Quem visitar a SP-Arte em 2021, após hiato de quase dois anos sem o formato presencial, irá perceber uma presença muito acentuada do trabalho de novos artistas. Outra novidade é a de uma área dedicada à simbiose entre arte e tecnologia, abordando conceitos como interatividade com obras e até mesmo NFTs. 

Atravessando um período sombrio que, apesar de não ter acabado, mostra finalmente sinais de melhora. A SP-Arte traz ao público a chance de retomar a experiência em primeira mão do contato com a arte, além da realização de palestras e entrevistas que podem ser conferidas no portal Terra de quarta (20) a sábado (24), sempre às 15h, 17h, e 19h. 

Serviço:

SP-Arte

Data: De 20 a 24 de outubro, de 12h às 19h

Ingressos: R$50 (inteira) e R$25 (meia), disponíveis no site do evento

Endereço: Av. Manuel Bandeira, 260, Vila Leopoldina, São Paulo

 

Fonte: Equipe portal
Publicidade
Publicidade