0

Por que falar sobre riqueza é tabu na Suécia

Rendas altas são um símbolo de sucesso em muitos países, mas na Suécia, um código cultural profundamente enraizado chamado 'jantelagen' impede muitos de falar sobre isso para manter estabilidade social.

4 nov 2019
06h22
  • separator
  • 0
  • comentários

Em Östermalm, um dos bairros mais ricos de Estocolmo, capital da Suécia, iates particulares e bares flutuantes ocupam a marina. Uma avenida arborizada por ali, Strandvägen, tem alguns dos imóveis mais caros da capital, assim como boutiques exclusivas e restaurantes autorais. Nas proximidades, os edifícios ornamentados do século 18 abrigam luxuosos escritórios e bares.

Culturalmente, falar da riqueza na Suécia é um tabu - e há até uma palavra pra isso, o 'jantelagen'
Culturalmente, falar da riqueza na Suécia é um tabu - e há até uma palavra pra isso, o 'jantelagen'
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A área também está cheia de pessoas usando óculos escuros de grife, sob o sol do outono. Mas o que não se vê por ali é alguém à vontade para falar sobre sua riqueza.

"Não vou lhe dizer quanto ganho, porque não sei por qual motivo faria isso", diz Robert Ingemarsson, 30 anos, que tem um emprego sênior na área de marketing.

Questionado sobre o que faz com seu dinheiro, ele simplesmente diz: "Gasto com ações, gosto de investir."

Victor Hesse, 24 anos, encontrado fazendo compras, diz que está prestes a embarcar em um programa internacional de capacitação da empresa que trabalha, uma grande marca sueca. Mas, quando perguntado sobre seu salário, ele diz: "Isso é uma informação secreta".

As narrativas padrão sobre a Suécia tendem a destacar sua social-democracia, os altos impostos e a baixa desigualdade na comparação com o padrão global. Mas, embora essa imagem esteja baseada em fatos, a diferença entre ricos e pobres tem aumentado constantemente desde os anos 90. A parcela 20% mais rica da população ganha agora quatro vezes mais que os 20% mais pobres.

Uma renda alta é um emblema de sucesso em muitos países, mas os suecos têm uma profunda aversão em falar sobre seu dinheiro. Nossos repetidos esforços para marcar entrevistas com jovens suecos ricos se mostraram difíceis. Fora de conversas registradas, em papos informais, as pessoas ficavam mais confortáveis em conversar sobre grandes casas de veraneio, iates da família, carros esportivos ou taças de champanhe. Fazer isso tudo ser formalizado em falas para a entrevista foi uma luta.

"Tenho a sensação de que isso se parecerá com um orgulho, com o qual infelizmente não me sinto confortável", dizia uma mensagem de texto que recebi, representando um sentimento que parecia compartilhado por muitos. Outros concordaram em ser entrevistados, mas depois ficavam "muito ocupados" ou simplesmente sumiam.

Mas por que isso? Embora falar da riqueza pareça perfeitamente apropriado em algumas partes do mundo, em Escolmo esse realmente parece ser um assunto a ser evitado.

O conceito de 'jantelagen'

Muitos suecos se recusam a falar de finanças com estranhos e se sentem mais confortáveis em conversar sobre sexo, diz a autora Lola Akinmade Åkerström
Muitos suecos se recusam a falar de finanças com estranhos e se sentem mais confortáveis em conversar sobre sexo, diz a autora Lola Akinmade Åkerström
Foto: Benoit Derrier / BBC News Brasil

Lola Akinmade Åkerström, que escreve sobre a cultura sueca e moradora de Estocolmo há mais de uma década, diz que falar sobre dinheiro é "um assunto muito desconfortável" no país.

Ela exemplifica que se gabar de riqueza — ou mesmo falar sobre um salário mediano com um estranho — é um tabu tão grande que muitos suecos realmente se sentem "mais confortáveis falando sobre sexo" do que disso.

É uma opinião compartilhada por Stina Dahlgren, uma jornalista sueca de 28 anos que passou vários anos morando nos EUA.

"Nos Estados Unidos, quando você diz que está ganhando muito dinheiro, as pessoas vibram por você e dizem: 'que bom, parabéns'. Mas aqui na Suécia, se você diz que tem um bom salário... as pessoas pensam que você é estranha."

Muitos estudiosos da cultura concordam que grande parte do tabu pode ser explicado por um código nórdico profundamente enraizado chamado "jantelagen", que promove a ideia de nunca pensar que se é melhor do que ninguém, além de repreender aqueles que quebram essa norma.

"Jantelagen é uma regra social tácita que existe aqui na Suécia e em muitos países nórdicos", explica Akinmade Åkerström, que explora o tópico em seu livro Lagom - O Segredo Sueco Para Viver Bem. "Trata-se de não ser muito chamativo, não se gabar desnecessariamente... É uma maneira de manter todos, na maior parte das vezes, iguais — removendo fontes de estresse na vida coletiva."

Jantelagen — que se traduz em algo como a lei de Jante — leva o nome de uma cidade símbolo destas regras, chamada Jante, presente em um livro de ficção de 1933 do autor norueguês-dinamarquês Aksel Sandemose.

Mas Stephen Trotter, um acadêmico escocês-norueguês que escreveu sobre o conceito quando trabalhou na Universidade de Glasgow, na Escócia, afirma que esta é uma orientação generalizada entre os nórdicos, especialmente nas áreas rurais, há séculos.

"Jantelagen é um mecanismo de controle social", argumenta. "Não se trata apenas de riqueza, mas também de não fingir saber mais do que você ralmente sabe."

Enraizada profundamente na cultura nórdica, o jantelagen é uma regra tácita que visa manter todos aparentemente iguais e reduzir as tensões sociais
Enraizada profundamente na cultura nórdica, o jantelagen é uma regra tácita que visa manter todos aparentemente iguais e reduzir as tensões sociais
Foto: Benoit Derrier / BBC News Brasil

Como uma chave para celebrar a modéstia e a humildade, jantelagen não é diferente da "síndrome da papoula alta", um termo popular na Austrália e na Nova Zelândia que indica a repulsa àqueles que se gabam muito de sua riqueza ou status. Na Escócia, as pessoas falam da "mentalidade do caranguejo" — uma analogia com um caranguejo que tenta fugir de um balde, mas que é retido por outros capturados.

"Você poderia dizer que a Escandinávia encontrou uma palavra que se encaixa e resume melhor as coisas do que qualquer outra", diz Trotter.

No entanto, ele também aponta que a maneira como o jantelagen se desenrola na Suécia e em outras sociedades nórdicas está ligada a normas culturais específicas dessas nações.

"Você pode falar sobre sua cabana na floresta ou sobre ter aquecimento no chão. As pessoas não se surpreendem com isso, porque é algo comum para os nórdicos. Muitas pessoas têm uma segunda casa aqui", exemplifica. "Mas se você disser que gastou a mesma quantidade de dinheiro em dois Lamborghinis, provavelmente seria alvo de deboche!"

Akinmade Äkerstöm argumenta que, embora a Suécia tenha lutado arduamente para manter uma imagem global igualitária, muitos suecos ainda se cercam de pessoas com renda semelhante. Isso, diz ela, significa que as regras do jantelagen podem, portanto, mudar de acordo com o círculo social. Gabar-se é mais aceitável entre aqueles com origens semelhantes.

"Atrás de portas fechadas com pessoas do mesmo status socioeconômico, elas (pessoas mais ricas) ficam mais confortáveis. Elas podem falar de suas casas de veraneio ou carros com aqueles do mesmo nível."

De volta a Östermalm, Andreas Kensen, 33 anos, que não mora na região mas passa a tarde visitando suas butiques, concorda que o jantelagen é contextual.

"Eu definitivamente contaria aos meus amigos que estou viajando ou, você sabe, mostraria isso no Instagram ou no Facebook. Mas não é nada que eu diria a um estranho que acabei de conhecer", explica.

Andreas Kensen diz que o jantelagen é contextual: você pode mostrar em suas redes sociais que está viajando, mas não fala disso para um estranho
Andreas Kensen diz que o jantelagen é contextual: você pode mostrar em suas redes sociais que está viajando, mas não fala disso para um estranho
Foto: Benoit Derrier / BBC News Brasil

Imigração e redes sociais quebram (um pouco do) tabu

No entanto, um número crescente de jovens suecos bem-sucedidos está começando a criticar o jantelagen e conversando mais abertamente sobre riqueza e sucesso.

Entre eles estão Nicole Falciani, 22, que começou a ganhar dinheiro como blogueira ainda adolescente e agora é uma grande influenciadora, com 354 mil seguidores no Instagram. Em uma sessão de fotos glamourosa com joias de casamento, ela não hesita quando perguntada sobre o valor cobrado normalmente: cerca de US$ 20 mil (cerca de R$ 79 mil) por campanha.

É um dinheiro que ela gasta principalmente em bolsas de grife e em viagens, depois de ter comprado um apartamento no centro da cidade aos 20 anos.

"Eu adoraria que o jantelagen desaparecesse, seria muito melhor para todos que moram aqui... Nossa sociedade seria muito mais aberta se pudéssemos conversar sobre dinheiro", argumenta ela. "É um bom pensamento que todos sejam iguais. Mas não funciona, porque se você está trabalhando mais do que outra pessoa, deve se orgulhar disso."

Cornelius Cappelen, professor associado de política comparada na Universidade de Bergen, na Noruega, acredita que a ascensão das mídias sociais está por trás da reação dos jovens contra o jantelagen. Ele argumenta que os blogs e os canais de vídeos, em particular, apoiam o tipo de "individualismo desenfreado" que estimula o destaque da multidão — algo que até recentemente era muito menos prevalente nos países nórdicos do que em outras nações ocidentais, principalmente nos EUA.

"Mais e mais pessoas usam o termo (jantelagen) como um abuso — especialmente os muitos jovens que dizem explicitamente que odeiam essa mentalidade", diz ele.

Akinmade Åkerström também acredita que as mídias sociais têm um grande impacto. Desde que se gabar se tornou comum no Facebook e Instagram, os suecos cujas realizações pessoais se destacam começaram a se sentir mais confortáveis em tornar público seu sucesso, ela argumenta.

"Existem pessoas muito hábeis e talentosas que foram reprimidas pelo jantelagen, mas depois olharam para o lado e viram pessoas medíocres se gabando (online) com confiança".

"Eu acho que o jantelagen vai desaparecer lentamente, porque as pessoas que foram reprimidas começarão a se levantar e dizer: 'Sabe, eu sou bom nisso...!'. E as mídias sociais também conectam você a um público mais amplo que não está familiarizado com o jantelagen."

Jovens como Nicole Falciani, estrelas nas redes sociais, vêem o jantelagen como um obstáculo ao reconhecimento do trabalho duro
Jovens como Nicole Falciani, estrelas nas redes sociais, vêem o jantelagen como um obstáculo ao reconhecimento do trabalho duro
Foto: Benoit Derrier / BBC News Brasil

A autora acredita que o jantelagen também está se tornando menos popular devido ao aumento da imigração. Na Suécia, a mais diversa das nações nórdicas, cerca de 25% das pessoas nasceram no exterior ou têm os dois pais estrangeiros.

"O que outras culturas estão trazendo é a celebração do sucesso e dos talentos", explica.

É um cenário bem acolhido por Nicole Falciani, nascida e criada na Suécia, mas cujos pais são italianos. Ela diz que às vezes achava difícil descobrir quais assuntos discutidos na sua casa de família italiana seriam socialmente aceitáveis entre os suecos.

"Acho que vai melhorar, porque estamos ficando mais europeus, temos mais estrangeiros vivendo na Suécia, trazendo sua cultura para aqui. E temos também muitos programas de TV americanos, que não têm o jantelagen", diz.

No entanto, ela duvida que o conceito desapareça completamente porque está "muito enraizado na cultura sueca ou na cultura escandinava".

O pesquisador Cornelius Cappelen também diz não ter certeza sobre o potencial de desaparecimento do conceito.

"Vai existir no futuro? Bem, meu palpite é tão bom quanto o seu. Mas digo o seguinte: espero que o aspecto positivo — o código de modéstia de não se gabar — continue existindo; e que o negativo — 'cortar as asas da pessoa' — desapareça."

Enquanto isso, alguns imigrantes da Suécia dizem ter abraçado o jantelagen, como Natalia Irribara, 35 anos, que se mudou do Chile para Estocolmo há três anos.

"Acho que no Chile temos uma sociedade realmente narcísica, onde as realizações são realmente importantes — como qualificações acadêmicas, ser atlética, bonita... Importam seu carro, a escola, a casa...", diz.

"[Aqui] Podemos ter uma vizinha que seja modelo, mas ela nunca vai mencionar que estava na capa de uma revista."

"Para mim, a humildade é realmente importante. O que gosto na Suécia é que, com o jantelagen, as coisas materiais não são tão relevantes."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade