PUBLICIDADE

Nvidia trabalha com EUA para garantir que novos chips para China estejam em conformidade com restrições

6 dez 2023 - 09h47
Compartilhar
Exibir comentários

A Nvidia está trabalhando em estreita colaboração com o governo dos Estados Unidos para garantir que os novos chips para o mercado chinês estejam em conformidade com as restrições de exportação, disse o presidente-executivo da empresa, Jensen Huang, nesta quarta-feira.

A fabricante de chips de inteligência artificial com sede na Califórnia comandou mais de 90% de participação no mercado de chips de IA de 7 bilhões de dólares da China, mas os analistas disseram que as novas restrições dos EUA às exportações de chips provavelmente criarão oportunidades para os rivais chineses.

A Reuters informou no mês passado que a Nvidia havia dito aos clientes na China que estava atrasando o lançamento de um novo chip de IA focado na China até o primeiro trimestre do próximo ano.

Huang se recusou a confirmar a reportagem da Reuters.

"A Nvidia tem trabalhado em estreita colaboração com o governo dos EUA para criar produtos que estejam em conformidade com seus regulamentos", disse Huang, em uma entrevista coletiva em Cingapura.

"Nosso plano agora é continuar a trabalhar com o governo para criar um novo conjunto de produtos que estejam em conformidade com as novas regulamentações que têm certos limites."

Ele afirmou que a Nvidia precisa buscar o conselho do mercado e que o processo está em andamento, acrescentando que a Huawei é uma concorrente "formidável".

A Nvidia alertou, durante anúncio de seus lucros de novembro, que prevê uma queda acentuada nas vendas do quarto trimestre na China, na esteira das novas regras dos EUA.

Huang observou que a contribuição da receita da China para a Nvidia tem sido tradicionalmente em torno de 20%, mas era difícil prever o quanto isso mudaria com as novas restrições de exportação dos EUA.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade