PUBLICIDADE

Microsoft tentou vender Bing para Apple em 2018, diz Google

Durante uma batalha judicial contra o governo dos EUA, o Google revelou que a Microsoft tentou — sem sucesso — vender o Bing para a Apple em 2018

26 fev 2024 - 19h30
(atualizado em 27/2/2024 às 12h03)
Compartilhar
Exibir comentários

Acredite se quiser: a Microsoft tentou convencer a Apple a trocar o Google pelo Bing nos produtos da empresa em pelo menos seis ocasiões e, em 2018, tentou vender o buscador para a Maçã. Contudo, o negócio jamais foi concretizado porque a dona do iPhone torcia o nariz em relação à qualidade dos resultados do buscador — e, para completar, tudo isso veio à tona graças ao Google.

Foto: Rubaitul Azad/Unsplash / Canaltech

Defesa jurídica terminou em "fofoca corporativa"

De acordo com o canal de televisão estadunidense CNBC, o negócio que jamais viu a luz do dia foi revelado durante uma batalha judicial envolvendo a Alphabet, empresa "guarda-chuva" do Google, e o governo dos Estados Unidos quanto a um suposto monopólio e abuso de posição dominante no que se refere aos serviços de busca na internet.

À época, a dona do Google revelou em seu argumento à Justiça que a empresa responsável pelo Windows ofertou o Bing para a Apple usá-lo como buscador padrão em vez do Google em seis oportunidades: 2009, 2013, 2015, 2016, 2018 e 2020. A Maçã, porém, recusou todas as ofertas.

O Google ainda afirmou que "em cada caso, a Apple analisou atentamente a qualidade relativa do Bing em relação ao Google e concluiu que o Google era a escolha padrão superior para seus usuários do Safari. Isso é competição".

A compra do Bing foi recusada diversas vezes por parte da Apple, segundo o Google (Imagem: Divulgação/Microsoft)
A compra do Bing foi recusada diversas vezes por parte da Apple, segundo o Google (Imagem: Divulgação/Microsoft)
Foto: Canaltech

Por fim, a Gigante de Mountain View destacou uma tentativa em particular por parte de MS de emplacar o Bing como navegador padrão dos produtos Apple. Segundo a empresa, a Microsoft chegou ao ponto de propor uma a venda do Bing ou a formação de uma joint venture com a Apple em 2018, mas que o próprio vice-presidente sênior de serviços da Maçã, Eddy Cue, descartou a possibilidade.

"A qualidade da pesquisa da Microsoft, seu investimento em pesquisa, tudo não foi nada significativo", teria dito Cue. "Portanto, a qualidade da pesquisa em si não era tão boa. Eles não estavam investindo em nenhum nível comparável ao do Google ou ao que a Microsoft poderia investir. E a organização de publicidade [do Bing] e a forma como eles monetizam também não eram muito boas."

Bing andou para o Copilot correr

No final das contas, o Bing realmente não chegou a arranhar a hegemonia do Google como principal ferramenta de buscas na internet, mas é impossível não reconhecer a importância do mecanismo de pesquisa proprietário da Microsoft para catapultar a popularidade do Copilot e eventualmente das IAs generativas — sobretudo para quem ainda não conhecia o ChatGPT.

É certo que o Google está vindo com tudo nessa disputa colocando o Gemini em campo, mesmo que a indústria já esteja no "segundo tempo" da partida. No entanto, o pioneirismo quanto à integração de um chatbot inteligente com um buscador ficou com o Bing e o Copilot integrado a diversas plataformas da Microsoft, afinal. Quem sabe a Apple não se arrepende de ter recusado a parceria tantas vezes, nem que seja um pouquinho.

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade