PUBLICIDADE

EUA desenvolvem "pílula do calor" que mantém o corpo quente no frio congelante

Agência de defesa dos EUA trabalha no desenvolvimento de um novo medicamento capaz de manter o corpo aquecido, mesmo em ambientes muito frios, como o Ártico

10 mar 2023 - 13h21
(atualizado às 16h27)
Compartilhar
Exibir comentários

Nos Estados Unidos, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (Darpa) busca desenvolver um novo remédio capaz de aumentar temporariamente a temperatura corporal das pessoas. Desenhada para o uso em ambientes frios ou congelantes, a "pílula do calor" poderá derreter as limitações humanas relacionadas ao frio.

Os cientistas Jerzy Szablowski, da Rice University, e Miao-Hsueh Chen, do Baylor College of Medicine, serão os responsáveis por desenvolver a fórmula. A primeira etapa do projeto envolve a implantação de um novo método de triagem para a identificação de medicamentos já conhecidos ou de novas moléculas que ativam mecanismos de ação do tecido adiposo marrom (BAT).

Pílula do calor para ambientes congelantes

Foto: Microgen/Envato / Canaltech

A ideia da dupla de pesquisadores é melhorar a termogênese que ocorre sem tremores, por meio de estímulos químicos ao organismo. "Se você tem um medicamento que torna a gordura marrom mais ativa, em vez de passar semanas e semanas se adaptando ao frio, você pode ter um desempenho melhor em poucas horas", completa Szablowski.

Quando a pílula do calor estiver pronta para o uso, o medicamento poderá tornar soldados mais aptos a atuarem em regiões muito frias. Além disso, ajudará os socorristas no atendimento de vítimas de hipotermia e ainda vai reduzir o custo da exploração do Ártico.

Como o corpo humano produz calor no frio?

Cabe explicar que naturalmente o corpo humano produz — algum nível de — calor, quando o indivíduo está com frio. Isso ocorre pelo mecanismo de adaptação do tecido adiposo marrom, também conhecido como gordura marrom. Para regular a temperatura corporal, as células do tecido quebram o açúcar do sangue e outras moléculas de gordura em um processo conhecido como termogênese.

No organismo, a resposta ao frio pode ocorrer através de dois tipos de termogênese. A primeira "envolve tremores, que todos nós já experimentamos", explica o cientista Szablowski. "Se você está ficando doente e com febre, começa a tremer, e esse tremor aumenta a temperatura do corpo. O problema é que você perde a destreza [naquele estado] e é muito desagradável", acrescenta.

Já o segundo tipo de termogênese envolve a ação das células do BAT em gerar calor a partir de reações químicas, sem a necessidade dos inconvenientes tremores. O desafio é que, segundo Szablowski, ela "não é tão eficiente" e "não consegue gerar tanto calor, pelo menos em humanos" hoje.

Fonte: Universidade Rice  

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade