PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Estudo mostra como matar bactérias sem antibióticos

A resistência antimicrobiana é uma realidade, para a preocupação dos cientistas. Uma nova técnica de machine learning mostra como encontrar alternativas

22 abr 2024 - 12h45
(atualizado às 16h18)
Compartilhar
Exibir comentários

A resistência antimicrobiana é definitivamente uma preocupação por parte da ciência, por isso muitos pesquisadores unem forças para descobrir formas de combater esse inimigo em comum. Um estudo publicado na edição de março da revista Science mostra que uma técnica de machine learning mostra como remédios não-antibióticos podem matar bactérias.

Foto: Vladans/Envato / Canaltech

O grupo do Laboratório Mitchell da Faculdade de Medicina UMass Chan apostou em uma técnica de rastreio genético para entender melhor como os medicamentos anticancerígenos atacam as bactérias.

Ao identificar quais genes específicos e processos celulares mudam quando as bactérias sofrem mutação, os cientistas se concentraram em descobrir como essas mudanças influenciam a sobrevivência das bactérias, e assim chegar aos mecanismos usados para destruí-las.

O estudo envolveu quase 2 milhões de casos, com direito a análise de 200 medicamentos. O processo foi criar um algoritmo para deduzir semelhanças entre diferentes medicamentos e ver como eles afetavam as bactérias mutantes.

Antibióticos x não-antibióticos

Os antibióticos que têm como alvo a parede celular (a camada protetora que envolve as células bacterianas) foram agrupados e bem separados dos antibióticos que interferem na replicação do DNA das bactérias.

Com a análise, os cientistas descobriram que os medicamentos não antibióticos e os antibióticos têm maneiras diferentes de matar as células bacterianas.

O próximo passo para alcançar as descobertas foi desenvolver gerações de bactérias expostas a diferentes medicamentos não-antibióticos normalmente prescritos para tratar ansiedade, infecções parasitárias e câncer.

IA ajuda a mostrar como remédios não-antibióticos podem matar bactérias (Imagem: claudioventrella/envato)
IA ajuda a mostrar como remédios não-antibióticos podem matar bactérias (Imagem: claudioventrella/envato)
Foto: Canaltech

Dessa maneira, o grupo conseguiu identificar a proteína bacteriana específica que esses medicamentos têm como alvo para matar as bactérias.

Os autores reconhecem que existem diferentes maneiras de matar bactérias ainda não exploradas, e ainda existem caminhos a seguir para combater a ameaça de infecções bacterianas e resistência a antibióticos.

Resistência antimicrobiana

Na resistência antimicrobiana, os medicamentos que costumavam ser eficazes no tratamento de infecções causadas por esses microrganismos já não funcionam adequadamente.

Ao descobrir novas maneiras de matar bactérias sem o uso de antibióticos tradicionais, os médicos têm mais opções de tratamento para escolher, o que pode reduzir a pressão sobre os antibióticos existentes e ajudar a retardar o desenvolvimento de resistência.

Além disso, o uso excessivo e inadequado de antibióticos é uma das principais causas da resistência antimicrobiana, então ao introduzir tratamentos alternativos que não dependem de antibióticos, diminui a pressão seletiva sobre as bactérias para desenvolver resistência a esses medicamentos.

Dessa forma, o estudo da Science traz uma contribuição significativa para conter a resistência antimicrobiana, fornecendo alternativas para matar bactérias. Resta esperar novos estudos para que essas técnicas fiquem ainda mais refinadas e possam ajudar a descobrir mais alternativas.

Fonte: Science

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade