PUBLICIDADE

É possível aprender a ser mais feliz?

A felicidade também inclui experiências desagradáveis ​​​​e a capacidade de canalizar dificuldades, e pode ser aprendida por meio de hábitos no cotidiano

6 dez 2023 - 12h22
(atualizado às 14h58)
Compartilhar
Exibir comentários

Tal como os outros sentimentos, a felicidade é complexa, subjetiva, mas isso não significa que não exista toda uma ciência por trás que possa explicar suas nuances. Sabemos que a comunidade científica se concentra em responder questões que parecem inexplicáveis, como o próprio amor.

Foto: Antonius Ferret/Pexels / Canaltech

Em entrevista à revista Curious, a diretora científica do Greater Good Science Center, da University of California — Emiliana Simon-Thomas — definiu a felicidade como uma característica geral abrangente que inclui experiências desagradáveis e a capacidade de canalizar dificuldades e adversidades para o crescimento, o aprendizado e a formação de comunidades e relacionamentos.

"Se você acha que felicidade significa prazer e entretenimento e maximizar o conforto material, então você nunca será feliz. Você estará no que é chamado de 'esteira hedônica', e isso está ligado a uma sensação persistente de decepção", afirma a pesquisadora.

A felicidade, do ponto de vista da ciência (Imagem: Tim Mossholder/Unsplash)
A felicidade, do ponto de vista da ciência (Imagem: Tim Mossholder/Unsplash)
Foto: Canaltech

Assim, a pesquisadora defende que a felicidade genuína depende de muito mais do que apenas experiências agradáveis, e a nossa disposição geral é moldada pela forma como nos orientamos face ao mundo a nível mental e emocional.

Como ser feliz?

No ano passado, um estudo de Harvard buscou entender como alcançar a felicidade. Sob o ponto de vista dos pesquisadores, a felicidade pode ser aprendida e exercida através de determinados hábitos implantados no cotidiano.

De acordo com a pesquisa, que analisou os dados de 724 pessoas desde 1938, um dos hábitos indicados para se atingir a felicidade é o exercício aeróbico, que usa o oxigênio no processo de geração de energia nos músculos. Investir na espiritualidade — o que pode ser feito através de meditação, por exemplo, também tem benefícios.

Os pesquisadores revelaram que aprender ou experimentar algo novo também pode levar à felicidade, tal trabalho voluntário.

Quando se é mais feliz?

Já neste ano, um estudo publicado na revista científica Psychological Bulletin analisou cerca de 460 mil pessoas para responder em qual fase da vida o ser humano é mais feliz. A conclusão foi que a satisfação com a vida diminui entre os 9 e os 16 anos, depois aumenta ligeiramente até aos 70 anos, antes de diminuir novamente até aos 96 anos.

Fonte: CuriousInc.

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade