PUBLICIDADE

Vacina contra a covid-19 não diminui o risco de transmitir a doença

O vacinado pode contrair a infecção de maneira leve ou assintomática e corre alto risco de contaminar as pessoas

10 mai 2021 17h15
| atualizado em 17/5/2021 às 18h20
ver comentários
Publicidade
Nenhuma pessoa vacinada está 100% imunizada contra o vírus
Nenhuma pessoa vacinada está 100% imunizada contra o vírus
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Após tomar a vacina contra a covid-19 é necessário e recomendado manter todos os cuidados necessários para proteger a si e ao próximo. Estar imunizado não significa que não há possibilidade de transmitir o vírus ou até mesmo contrair ele em graus moderados.

De acordo com o Dr. José Geraldo Leite, epidemiologista do Grupo Pardini, mesmo com todo o controle da vacina, as pessoas imunizadas não devem abandonar os cuidados de proteção, uso de máscara, distanciamento, evitar reuniões familiares ou aglomerações. "Isso só será possível quando tiver uma cobertura vacinal alta, ou seja, com a maioria a população vacinada", explica o médico.

Existe a chance da falha vacinal, isto é, o vacinado ainda pode contrair a infecção de maneira leve ou assintomática, além do alto risco em contaminar as pessoas, principalmente aquelas que ainda não estão vacinadas.

"Por exemplo, a vacina Sinovac (Coronavac), chinesa desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan demonstrou uma taxa de eficácia de 78% para casos leves e de 100% para infecções moderadas e graves, enquanto a AstraZeneca e Universidade de Oxford (AZD1222), desenvolvida na Inglaterra em parceria com a Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), demonstrou eficácia de 70,4%".

Ou seja, é importante ter em mente que o objetivo da vacina é evitar formas graves, internações e hospitais lotados", destaca o Dr. Geraldo Leite.  

O que ocorre no organismo após a vacinação contra a covid-19?

Após a pessoa ser vacinada o organismo desenvolve anticorpos voltado para uma proteína muito importante que faz a comunicação do vírus com as nossas células, então quando o vírus chega os anticorpos se juntam  e impedem que o vírus invada as células e portanto, não é capaz de infectar a pessoa em níveis altos.

Segundo o médico,  isso não vai acontecer em 100% dos vacinados. Há uma minoria que não produz esses anticorpos, isto é, ainda podem ser infectados de maneira aguda e na maioria dos casos a pessoa não sabe como o organismo está e nem a maneira que receberá a dose da imunização, por isso, ainda é momento de ficar resguardado e ter paciência.

Há problema em tomar a vacina estando com Covid-19?

Não existe problema, pois o sistema imunológico está respondendo ao vírus. As vacinas disponíveis não são feitas com vírus vivos, por isso não há comprovações sobre uma possível interferência no organismo de quem já contraiu o coronavírus. Muito pelo contrário, a vacina vai promover mais anticorpos contra a doença.

Vale ressaltar que ninguém fica imunizado com apenas uma dose da vacina e algumas pessoas nem com as duas doses, porque os imunizantes disponíveis no mercado não são 100% eficazes. Mas o que se sabe é que, em ambas as vacinas disponíveis no Brasil, a garantia para a eficácia de acordo com estudos só ocorre de duas a quatro semanas após a segunda dose.

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade