PUBLICIDADE

Quem tem diabetes deve ser protagonista de seu tratamento 

Com atendimento humanizado aliado à tecnologia a realidade pode ser bem diferente.

2 mai 2022 03h00
ver comentários
Publicidade
Foto: Adobe Stock

No mês que comemora-se o Dia Mundial da Saúde, acende um alerta para a conscientização de uma das doenças crônicas mais recorrentes no país: o diabetes. Ele atinge mais de 16 milhões de pessoas só no Brasil e segundo dados da Federação Internacional de Diabetes, houve um aumento global de 16% nos casos em adultos. 

Para se ter ideia, só em 2021, mais de 6 milhões de pessoas morreram pela doença. Com esse crescimento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) já considera essa situação uma pandemia. 

Tendo em vista a alta relevante nos indicadores de novos casos, é necessário informarmos e discutirmos, cada vez mais, sobre a importância do engajamento do próprio paciente. Quando se tem conhecimento e ferramentas adequadas, os pacientes com diabetes têm mais chances de obter bons resultados com o tratamento. 

Para ser protagonista, entretanto, o paciente não pode caminhar sozinho. Ele deve contar com a ajuda de uma equipe multidisciplinar de saúde, tendo em vista que isso traz mais segurança e respaldo quando necessário. A tecnologia é outra peça fundamental para o engajamento, já que ela otimiza os processos de cuidado, melhora a atuação dos profissionais de saúde e gera dados e insights para todos os envolvidos, como forma de digitalizar esse processo.

Como melhorar e reter o engajamento do paciente no tratamento?

Soluções que integram tecnologia com cuidado humanizado já comprovam que pessoas com essas condições são mais engajadas quando acompanhadas por um atendimento acolhedor e que tem em seu pilar a empatia. 

Nesse sentido, o paciente deve ser ativo no cuidado da sua saúde, ou seja, ele deve ser envolvido em todas as etapas e decisões do seu tratamento. Colocá-lo no centro do cuidado é uma das estratégias de comprometimento, uma vez que ele se sentirá capacitado e seguro para ser o principal agente de mudança.

Agora vamos olhar para algumas ferramentas que podem nos ajudar no aumento e na manutenção do engajamento do paciente: 

• Plano de Cuidado Individualizado - O paciente deve ter um plano de cuidado individual para nortear os cuidados de saúde relacionados a sua necessidade. Lembrando que ele deve compreender e estar de acordo com a proposta. 

• Coordenação do cuidado -  Todos os envolvidos no plano de cuidado do paciente devem manter uma comunicação constante e ter ciência das ações e responsabilidades uns com os outros. Isso diminui erros e otimiza o cuidado. 

• Acesso aos Registros Clínicos - Os profissionais de saúde e o paciente devem ter acesso a informação e resultados, de forma organizada e rápida para acompanhar a evolução do tratamento, seguindo todos os parâmetros da LGPD - a Lei Geral de Proteção de Dados. 

• Decisão Compartilhada - O paciente deve fazer parte de todas as decisões relacionadas ao seu tratamento, fazendo com que as mudanças de hábitos necessárias propostas pela equipe de saúde estejam de acordo com a sua rotina . 

• Educação - O paciente deve compreender a sua condição de saúde e seu tratamento. Todo conteúdo deve ser transmitido pelos profissionais de forma clara e de acordo com a realidade e jornada de conhecimento de cada paciente. 

• Feedback - Os profissionais de saúde devem acolher os feedbacks do paciente para melhorar o processo de cuidado de acordo com as suas demandas. 

• Aplicativos (App) - Para facilitar a comunicação entre o paciente e seu time de saúde, auxiliar o acesso aos dados e resultados do seu tratamento, pode-se contar com ferramentas tecnológicas de fácil manuseio, como aplicativos para celular.

Sabemos que aumentar o protagonismo do paciente e seu engajamento é um verdadeiro desafio para os profissionais de saúde, contudo, compreender a relevância desse tema e passar a adaptar os planos de cuidado, é um grande primeiro passo para alcançar o resultado desejado. 

E você, já está engajando os seus pacientes para se tornarem protagonistas da sua própria saúde?

(*) Marcela Carvalho é enfermeira responsável da healthtech Klivo e especialista em gestão de pacientes crônicos.

Homework Homework
Publicidade
Publicidade