1 evento ao vivo

Mudanças na dieta podem ajudar com a acne?

14 set 2018
07h11
  • separator
  • comentários

Mais pesquisas são necessárias, mas a dieta pode desempenhar um papel no desenvolvimento da acne. Algumas evidências sugerem que uma pessoa pode reduzir ou prevenir a acne consumindo mais ácidos graxos ômega-3, menos laticínios e menos alimentos com alto índice glicêmico. A acne geralmente começa durante a puberdade, e é especialmente prevalente entre as idades de 12 e 24 anos. A acne pode causar pele oleosa e vários tipos de lesões, incluindo espinhas. Os sintomas variam de leves a graves e podem afetar a qualidade de vida de uma pessoa. Os resultados de uma pesquisa de 2016 mostraram que 71% dos participantes achavam que alimentos fritos ou gordurosos causavam acne. Outros achavam que chocolate, laticínios e refrigerantes eram responsáveis.

A acne se desenvolve quando os poros da pele ficam entupidos com células mortas da pele, bactérias ou ambos. Esse entupimento também ocorre quando o corpo produz muito sebo, um óleo que evita que a pele seque. Poros entupidos podem levar a inflamação e causar espinhas e outros tipos de lesão a se formar. Atualmente, parece haver pouca evidência de que alimentos gordurosos causam acne. As glândulas sebáceas hiperativas causam pele oleosa, não gordura e óleo nos alimentos. No entanto, enquanto mais pesquisas são necessárias, uma dieta rica em ácidos graxos ômega-3 pode reduzir a inflamação e melhorar os sintomas da acne. Alimentos ricos em ácidos graxos ômega-3 incluem: peixe, como cavala, salmão e sardinha, ovos de galinhas de pasto. Embora mais estudos sejam necessários, evidências limitadas sugerem que alimentos ricos em antioxidantes e fibra dietética também podem combater a acne.

 

Referência

 

Kucharska, A. ET al. Significance of diet in treated and untreated acne vulgaris. Postepy Dermatol Alergol . 2016 Apr; 33(2): 81â??86.

Nguyen, Q-G. ET al. Diet and acne: an exploratory survey study of patient beliefs. Dermatol Pract Concept . 2016 Apr; 6(2): 21â??27.

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade