0

Posição sexual define sexo do bebê? Especialista esclarece

4 set 2012
11h27
atualizado às 12h10
  • separator

A expectativa para que a gravidez chegue logo é grande. Mas, junto com ela, vem o desejo de que o bebê seja de determinado sexo. Uma das histórias populares que evolve o assunto é em relação ao período da ovulação. Diz a lenda que manter relações sexuais um dia antes do período ovulatório aumentaria a possibilidade de o bebê ser do sexo feminino. Se o ato fosse programado para o dia da ovulação, as chances de nascer um menino seriam maiores.

A expectativa para que a gravidez venha logo é grande. Mas, junto com ela, vem o desejo de que o bebê seja de determinado sexo. Uma das histórias populares que evolve o assunto é em relação ao período da ovulação
A expectativa para que a gravidez venha logo é grande. Mas, junto com ela, vem o desejo de que o bebê seja de determinado sexo. Uma das histórias populares que evolve o assunto é em relação ao período da ovulação
Foto: Dreamstime / Terra



Recentemente, a apresentadora Angélica, da Rede Globo, revelou em uma entrevista ao canal GNT que usou essa "tática" em sua terceira gestação. Coincidência ou não, a apresentadora está grávida de uma menina, como desejava. Mas, apesar do sucesso que o casal Luciano Hulk e Angélica obteve, de acordo com Nilo Frantz, diretor do Centro de Pesquisa e Reprodução Humana Nilo Frantz, de Porto Alegre, a questão não passa de mito.



A história surgiu porque, teoricamente, os espermatozoides que carregam os cromossomos masculinos seriam mais rápidos do que os femininos. Desse modo, se o casal mantivesse relações sexuais um dia antes da ovulação, o bebê seria menina. Para relações no próprio dia da ovulação, a chance de nascer um menino seria maior. Mas, de acordo com Nilo, não há estudos que comprovem a veracidade desse "método". "Em termos práticos, a 'técnica' não funciona. Além disso, o Conselho Federal de Medicina (CFM) proíbe os médicos de fazerem seleção do sexo do bebê", explica.



Outro mito que gira em torno do tema é sobre determinadas posições sexuais. Sexo com penetração mais profunda daria ao casal chances maiores de gerar um menino. E, se o ato sexual envolver penetrações menos intensas, a probabilidade de engravidar de uma menina seria maior. Também não há estudos que comprovem a veracidade dessa história. E, segundo o especialista, tudo não passa de um mito.



Como a natureza define o sexo

Biologicamente, o sexo do bebê é definido pelos espermatozoides. Eles se dividem em masculinos (os que carregam os cromossomos Y) e femininos (que carregam os cromossomos X). Depois de fecundar o óvulo, o gênero do espermatozoide passa a ser o do feto.



Segundo Nilo, existe uma curiosidade interessante sobre o tema. Alguns homens têm mais espermatozoides femininos do que masculino, ou o contrário. Por isso, a possibilidade de ter vários filhos do mesmo sexo é grande, o que pode explicar o fato de diversas famílias terem apenas filhos homens ou mulheres.



Busca um especialista em Fertilidade?

Clique aqui

e confira a lista dos profissionais

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Fonte: Cross Content
publicidade