0

Entenda como praticar o ócio pode ajudar no dia a dia

15 mar 2019
07h43
  • separator
  • comentários

Que a vida atual é bem corrida, não resta dúvidas. O problema é que, quando um horário disponível existe, as pessoas o gastam com alguma atividade, seja ela de lazer ou não. Mas acredite: o completo ócio pode sim ser muito benéfico.

Ele desempenha não apenas uma função psicológica, como também social. Isso porque ele ajuda na reposição física e mental, permitindo não apenas uma conexão melhor com nós mesmos como também auxiliando a equilibrar a nossa vida.

A verdade é que a correria diária acabou empobrecendo o autoconhecimento de cada um. Por isso, praticar o ócio - isto é, não fazer absolutamente nada por algum tempo - é tão importante. É algo que diz respeito apenas a si próprio, nossa condição e necessidades individuais.

Hora de desplugar

Para ter o ócio completo é preciso se desligar, seja das redes sociais ou de outros meios que possam te distrair e levar a sua mente para outros lugares. Pessoas de personalidade mais agitada têm mais dificuldade em conseguir não fazer nada de fato. Talvez sejam, justamente, os que mais precisam de um momento de off total.

O ócio pode ser um ótimo aliado, pois permite a conexão das pessoas com seus próprios ritmos e uma desconexão temporária do ritmo externo. De todo modo, a forma como as pessoas se deixam levar pela agitação externa e a função da agitação mental na vida de cada um são questões muito subjetivas, que variam de pessoa para pessoa.

Tempo necessário

O tempo destinado para o ?modo offline? também varia de pessoa para pessoa. Ócio tem a ver com autorregulação, de forma que o seu tempo é subjetivo, já que é determinado pela necessidade de cada um. Algumas pessoas precisam de mais tempo, outras de menos.

Nem preguiça, nem procrastinação

Muitas pessoas pensam que o ócio tem a ver com preguiça ou procrastinação. É importante fazer uma diferenciação. No caso do ócio, o tempo é dedicado a algo, sim ? a desconexão com o mundo para reconectar-se com o indivíduo. Saber quanto tempo é suficiente para cada um de nós tem a ver com autoconhecimento pleno.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade