8 eventos ao vivo

Dois remédios indicam possível cura para o ebola

Medicamentos testados em pacientes da República Democrática do Congo foram capazes de aumentar a taxa de sobrevivência

14 ago 2019
15h05
atualizado às 15h48
  • separator
  • 0
  • comentários

Os cientistas estão um passo mais perto de uma cura para o ebola após terem descoberto que dois de quatro medicamentos utilizados em um ensaio clínico aumentaram significativamente as taxas de sobrevivência, disse na segunda-feira, 12, a autoridade de saúde dos Estados Unidos, responsável pelo financiamento da pesquisa.

Medicamentos podem mudar o rumo da doença de Ebola
Medicamentos podem mudar o rumo da doença de Ebola
Foto: Reuters

O estudo começou em novembro passado, na República Democrática do Congo (RDC), mas agora sua fase atual será interrompida e todos os futuros pacientes receberão os dois tratamentos que mostraram resultados positivos, disseram os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH, sigla em inglês), em um comunicado.

"Os resultados preliminares em 499 participantes no estudo indicaram que as pessoas que receberam REGN-EB3 ou mAb114 (dois dos quatro remédios) apresentaram maior probabilidade de sobrevivência em comparação aos participantes que receberam os outros dois", indicou.

Os pacientes que estavam recebendo os dois medicamentos que estão sendo descontinuados, ZMapp e remdesivir, agora terão a opção de receber os tratamentos que demonstraram funcionamento efetivo.

Os NIH acrescentaram que a análise final dos dados será feita no fim de setembro ou início de outubro. Em seguida, os resultados completos serão enviados para publicação em literatura médica revisada por pares.

Tanto os pesquisadores americanos como as autoridades sanitárias do Congo e a Organização Mundial da Saúde (OMS) elogiaram a "equipe extraordinária de pessoas que trabalharam em condições extremamente difíceis para realizar o estudo", assim como os pacientes e suas famílias.

"É através deste tipo de pesquisa rigorosa e de rápida implementação que podemos identificar rápida e definitivamente os melhores tratamentos e incorporá-los à resposta ao surto de ebola", disseram.

Mais de 1.800 pessoas morreram no leste da RDC desde o início da epidemia de ebola, em agosto do ano passado. /AFP

Veja mais:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade