2 eventos ao vivo

Casamento eleva sobrevida de cardíacos e diabéticos, indica estudo

Cientistas analisaram dados de 1 milhão de britânicos e sugerem que união traz fator 'protetor' que reduz impacto de fatores de risco de doenças cardíacas, como hipertensão e colesterol alto.

7 jun 2017
07h47
atualizado às 08h08
  • separator
  • comentários

O casamento parece fazer bem para a saúde de pessoas com risco de sofrer doenças cardíacas. Uma pesquisa sugere que os casais têm um apoio social maior, o que os leva a buscar um estilo de vida mais saudável e aderir melhor à medicação.

casal
casal
Foto: BBCBrasil.com

O estudo foi apresentado na conferência da Sociedade Cardiovascular Britânica, em Manchester, no Reino Unido. Ele analisou dados de saúde de quase um milhão de britânicos por mais de uma década.

E mostrou que, entre os que têm fatores de risco cardíaco - colesterol alto, hipertensão, diabetes tipo 2 -, os solteiros têm uma taxa de mortalidade maior do que os casados.

Felicidade conjugal?

Paul Carter e seus colegas da Escola Médica da Universidade de Aston já tinham mostrado em estudos anteriores que o casamento aumenta as chances de sobreviver a um ataque cardíaco.

Sua mais recente pesquisa indica razões para isso: eles suspeitam que o casamento ajuda a amortecer fatores de risco de doenças cardíacas, incluindo colesterol alto e hipertensão.

Homens e mulheres por volta dos 50, 60 e 70 anos com colesterol alto eram 16% mais propensos a estarem vivos ao final dos 14 anos de estudo se eram casados. A mesma tendência se verificou nas pessoas com diabetes tipo 2 e hipertensão.

  • 'Somos todos racistas?': O teste de Harvard que promete revelar preconceito implícito

A situação era menos clara para pessoas que vivem juntas sem serem casadas, além de divorciadas e viúvas. Os pesquisadores também não analisaram se as pessoas casadas estavam em casamentos felizes.

Eles suspeitam que o casamento traz efeitos "protetores", e que estes resultam no que chamaram de "apoio social maior" que ajuda na busca por "um estilo de vida saudável e melhor adesão a medicações".

"Precisamos entender melhor essas razões, mas parece que existe algo em estar casado que é protetor, não apenas em pacientes com doenças do coração, mas também as que têm fatores de risco para as enfermidades", disse Carter.

  • O conceito de doença mental é um mito, diz autora de estudo anti-psiquiatria no Canadá

"No entanto, não estamos dizendo que todos deveriam se casar. Precisamos replicar os efeitos positivos do casamento sobre a rede social (de solteiros) que tem base em família e amigos", acrescenta.

Casamento
Casamento
Foto: BBCBrasil.com

Para Mike Knapton, diretor médico associado da Fundação Britânica do Coração, que não teve relação com o estudo, "a mensagem que fica é que nossas interações sociais são determinantes importantes de saúde e bem-estar naqueles que têm fatores de risco como pressão alta".

"Independente de ser casado ou não, você pode apelar para os que você ama para ajudá-lo em lidar com os fatores de risco para doenças cardíacas", acrescenta.

Fatores de risco cardíaco:

  • fumar
  • pressão alta
  • colesterol alto
  • diabetes
  • estar acima do peso/obeso
  • sedentarismo
  • histórico familiar de doença cardíaca
  • idade (o risco aumenta com o envelhecimento)
BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade