1 evento ao vivo

Brasil registra média móvel diária de 477 mortes pela covid-19

De acordo com o consórcio de veículos de comunicação, Brasil teve 501 novas mortes em decorrência da doença nas últimas 24 horas, com 33.506 novos casos

27 nov 2020
20h28
atualizado às 21h13
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A média móvel diária de mortes causadas pelo novo coronavírus no Brasil ficou em 477 nesta sexta-feira, 27. Esse tipo de média considera os dados dos últimos sete dias e evita distorções provocadas pelas variações diárias dos registros. No total, 6.238.076 pessoas já foram infectadas pela doença e 171.998 morreram por causa da covid-19.

Nas últimas 24 horas, foram registrados mais 33.506 casos e 501 mortes, segundo levantamento feito por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL junto às secretarias estaduais de saúde. Até as 20 horas desta sexta-feira, o Ministério da Saúde ainda não havia divulgado os dados sobre pessoas recuperadas da doença e casos em acompanhamento. Até quinta-feira, 26, 5.528.599 pessoas estavam recuperadas da covid-19.

O índice de isolamento social da população brasileira voltou a subir em novembro, depois de registrar o nível mais baixo de toda a série no mês de outubro, apontam dados do Mapa de Calor, plataforma digital criada pelas operadoras de telecomunicações durante a pandemia do covid-19.

O Brasil é o segundo país com mais mortos, atrás apenas dos Estados Unidos, que registrou 264.684  mortes por covid-19.No total de infectados, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA), o Brasil fica atrás dos Estados Unidos e da Índia.

Parceria

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL, e feito em conjunto com as secretarias estaduais de Saúde. Os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal. De forma inédita, a iniciativa foi uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia e se manteve mesmo após a manutenção dos registros governamentais

Veja também:

Influencers falam sobre doenças crônicas nas redes
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade