0

Projeção em prédio na avenida Paulista chama atenção para rotulagem de alimentos

Objetivo é convidar consumidor a participar de debate a respeito do tema

3 dez 2019
11h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Ação na avenida Paulista chama atenção para consulta pública sobre rotulagem de alimentos.
Ação na avenida Paulista chama atenção para consulta pública sobre rotulagem de alimentos.
Foto: Divulgação / Estadão

Na noite desta terça-feira, 3, quem passar pela avenida Paulista com a rua da Consolação poderá observar uma série de projeções sobre rotulagem nutricional de alimentos.

O objetivo é convidar o consumidor a participar de debate a respeito do tema. Isso porque a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu consulta pública até o dia 9 de dezembro.

Serão exibidas projeções no Edifício Anchieta, que fica entre a avenida Paulista e a rua da Consolação, com os dizeres "quando abrir a boca, não fecha os olhos", entre às 19h e meia-noite.

A campanha, promovida pela Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, reforça o direito de toda a população sobre o que está consumindo e de que maneira os ingredientes são informados nos rótulos dos produtos.

A proposta, apresentada pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), apresenta um triângulo preto na parte da frente das embalagens e alerta para a presença em excesso de açúcar, sódio e gorduras saturadas. No Chile, desde 2016, o símbolo estampa as embalagens dos alimentos, fazendo um alerta à população.

A Anvisa propõe uma lupa nas embalagens, indicando, em uma única imagem, a presença dos nutrientes mais danosos à saúde. Para o Idec, o modelo não é eficaz para advertir o consumidor.

"É importante enfatizar que todas as evidências comprovam a percepção dos consumidores de que os triângulos são mais eficazes do que outros modelos, incluindo a lupa. Esperamos que a Anvisa se mantenha firme em relação às evidências e considere a percepção dos consumidores", afirma a nutricionista Ana Paula Bortoletto, coordenadora do programa de alimentos do Idec.

Veja também:

Venezuela: os trabalhadores da saúde com salários de US$ 4 por mês e sem equipamentos de proteção
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade