2 eventos ao vivo

Óleo de melaleuca: veja os benefícios para beleza e saúde

O produto natural pode ser usado para tratar acne, micoses de unha, caspa e muitos outros problemas

31 jan 2019
14h43
  • separator
  • comentários

O óleo de coco já faz parte do vocabulário popular e da rotina de bem-estar e beleza de muitas pessoas. Mas outro ingrediente, desta vez com nome mais difícil, também oferece benefícios suficientes para ganhar muitos adeptos: o óleo de melaleuca. Com características fungicidas e anti-inflamatórias, ele pode ser usado nas unhas, pele, couro cabeludo e fios de cabelo.

"É muito utilizado na dermatologia para ajudar na melhora de pacientes com acnes. Mas também é comum no tratamento de descamação capilar por conta de doenças como psoríase ou a própria caspa", diz o dermatologista Alberto Cordeiro, da Horaios Estética.

A cosmétologa Cris Dios considera o óleo de melaleuca um antibiótico, bactericida e fungicida natural com a vantagem de poder ser usado pontualmente apenas na área de tratamento.

Com tantos benefícios, as indicações de uso também são muitas e variadas. Além de ser usado puro, a essência de melaleuca pode ser misturada a outros óleos vegetais, ao creme corporal, à base para unhas, à argila, à máscara capilar. De maneira geral, Cris Dios indica usar uma gota do óleo de melaleuca para cada cem mililitros de outro produto.

O óleo de melaleuca já pode ser facilmente encontrado em lojas especializadas em itens naturais e muitas marcas também já o incluem como ativo principal em diversos produtos cosméticos.

Veja onde encontrar

O que é o óleo de melaleuca?

O óleo de melaleuca é extraído da folha de melaleuca alternifolia, uma árvore australiana também conhecida por tea tree. "Óleos essenciais são concentrados de plantas medicinais aromáticas", explica o osmólogo (profissional especialista em aromas) Fernando Amaral, da WNF óleos essenciais.

Quais são os benefícios?

O óleo de melaleuca tem propriedades anti-inflamatórias e antissépticas podendo, assim, combater fungos, bactérias e vírus.

De acordo com o osmólogo, os benefícios podem ser notados logo nas primeiras aplicações.

Como pode ser usado?

De acordo com Fernando Amaral, o óleo de melaleuca é excelente contra algumas micoses de unha, aftas, herpes, dor de dente, dor de ouvido, psoríase, frieiras, calos e furúnculos.

Veja algumas indicações de uso do óleo de melaleuca

  • Nas unhas: para tratar micoses na região, Amaral recomenda diluir a melaleuca em óleo de rosa mosqueta ou de copaíba e aplicar uma gota três vezes ao dia. Para combater fungos nas unhas, Cris Dios orienta aplicar o ativo natural puro.
  • Na pele: contra acne, pode ser aplicado puro diretamente na 'espinha' ou em uma vaporização para o rosto. Para aliviar dores e inchaços, é usado na massagem corporal ou em compressa.
  • No cabelo: equilibra a oleosidade, ajuda a tratar caspa, seborreia e psoríase. Fernando Amaral recomenda colocar três gotas do óleo no xampu na hora do banho.
  • No ambiente: colocado em um difusor o aroma fortalece o sistema imunológico. Misturado com lavanda contribui para um ambiente mais calmo. Combinado com óleo de eucalipto, é benéfico para cuidar das vias respiratórias.
  • Banhos de assento: ajuda no tratamento de alguns casos de candidíase - infecção por fungos na região íntima da mulher.

O óleo de melaleuca tem alguma contraindicação?

O dermatologista Alberto Cordeiro, da Horaios Estética, explica que o óleo não é indicado apenas para a pessoa que tiver alergia ao produto.

No entanto, o osmólogo Fernando Amaral alerta para produtos de baixa qualidade que são adulterados com óleo de eucalipto.

Quais cuidados são necessários?

Óleos essenciais são muito concentrados, isso é uma grande vantagem, mas também exige cuidado na aplicação. "Duas gotinhas já têm grande efeito, portanto é preciso ter parcimônia. O uso excessivo pode causar ressecamento", afirma a cosmetóloga Cris Dios.

Para evitar esse problema, a especialista conta que uma opção é misturá-lo com óleos de amêndoa, copaíba ou de coco. Outra alternativa é acrescentá-lo a argila.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade