4 eventos ao vivo

Na enxaqueca com aura, alterações indicam início da dor

Fenômenos visuais são mais frequentes, com pontos luminosos, linhas em ziguezague ou manchas escuras

17 out 2019
11h11
atualizado às 11h27
  • separator
  • 0
  • comentários

A enxaqueca é um tipo de cefaleia (dor de cabeça) que acomete cerca de 30 milhões de brasileiros. De causa desconhecida, ela é caracterizada por ocorrência frequente, intensidade de moderada a severa e pulsante. Geralmente, a pessoa fica sensível à luz, ao som e tem náuseas. Há ainda quem tenha alterações visuais e sensoriais e a esse tipo de ocorrência dá-se o nome de enxaqueca com aura.

Ilustração de como a aura visual pode se apresentar na enxaqueca.
Ilustração de como a aura visual pode se apresentar na enxaqueca.
Foto: Sociedade Brasileira de Cefaleia/Reprodução / Estadão Conteúdo

"É uma fase da enxaqueca, um aviso de que a dor virá. Na maioria das vezes, é um fenômeno visual, com alteração da percepção, que pode incluir linhas em ziguezague, pontos luminosos, e manchas escuras", explica o neurologista Mario Peres, presidente da Associação Brasileira de Cefaleia em Salvas e Enxaqueca (Abraces). Embora seja uma fase que precede a dor, esta pode vir junto com a aura em alguns casos.

A ocorrência é relatada em cerca de 10% a 20% dos casos de enxaqueca e pode durar de cinco minutos a uma hora. Além da alteração visual, a pessoa ainda pode sentir formigamento, perda de força e dificuldade na fala, porém são mais raros. "Faz lembrar um AVC [acidente vascular cerebral], mas a diferença é que a aura é transitória", comenta o médico.

Embora apresente sinais e sintomas a mais, a aura não é uma consequência mais grave da enxaqueca. No entanto, o especialista observa que a condição aumenta o risco de distúrbios de depressão, ansiedade, pânico e AVC. O médico exemplifica que uma mulher que tem enxaqueca com aura, usa anticoncepcional e fuma tem um risco 18 vezes maior de ter acidente vascular cerebral do que aquela que não se enquadra nessas condições. Assim, é aconselhável repensar hábitos de vida e avaliar outras opções de contracepção.

Fenômeno da aura na enxaqueca

A aura da enxaqueca explica-se pelo próprio mecanismo de ação desse tipo de dor de cabeça. "Os neurônios podem sofrer perturbações e elas podem se propagar. Isso ocorre na parte de trás do cérebro, no córtex visual. Esse é um dos mecanismos conhecidos para a causa da enxaqueca no geral, mas especialmente a aura tem a ver com isso. Quando essa perturbação se propaga, pega região da fala, da sensibilidade e do movimento", detalha Peres.

Existe uma variação rara da enxaqueca com aura chamada hemiplégica. Ela ocorre devido a uma mutação genética e causa perda de força. O neurologista afirma que, nesse grupo, uso de anticoncepcional e tabagismo são fatores de agravamento. Uma vez que a enxaqueca, no geral, é cerca de três vezes mais comum em mulheres do que em homens, elas também são mais propensas a manifestar algum sinal ou sintoma da aura.

O que é enxaqueca?

Diferente de uma dor de cabeça que surge de vez em quando, provocada por estresse ou falta de alimentação, por exemplo, a enxaqueca é recorrente e acompanha outros sintomas. Náuseas, vômitos e sensibilidade à luz, a som e odores são o que diferencia o quadro e determina o diagnóstico.

Outros fatores diferenciais são: o local da cabeça que dói (geralmente de um lado só), a intensidade (moderada a forte), e o tipo de dor (latejante). Exames de imagem ou laboratoriais não dão diagnóstico de enxaqueca, apenas excluem outras causas.

Segundo o estudo My Migraine Voice, promovido pela farmacêutica Novartis em parceria com a Aliança Europeia para Enxaqueca e Cefaleia, 82% dos brasileiros que têm enxaqueca afirmam que sofrem com o impacto social das dores. Eles relatam não conseguir cumprir todas as atividades diárias e manter hobbies, mais de 50% se sente impossibilitado de comparecer a eventos sociais e 30% não consegue praticar exercícios físicos.

Tratamento para enxaqueca

O tratamento para a enxaqueca, de modo geral, pode ser agudo, com medidas para cortar a crise quando ela já está instalada, e preventivo. Também envolve vertentes com e sem remédio. As classes medicamentosas mais utilizadas são antidepressivos, anticonvulsivos e betabloqueadores. Dependendo do nível da dor, podem ser indicadas injeções com medicamento uma vez ao mês ou aplicações de botox.

O uso frequente de analgésico não é recomendado, uma vez que eles podem perder o efeito e, ao contrário do propósito, ser a causa da dor. Segundo Peres, uma pessoa com enxaqueca deve ser tratada com drogas preventivas e específicas, que são tomadas uma vez por dia. Já a vertente não medicamentosa inclui atividades físicas, acupuntura, fisioterapia e exercícios de relaxamento e respiração.

Veja também:

A fisiculturista de 75 anos que começou a levantar pesos para lidar com dor de condição crônica

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade