3 eventos ao vivo

Carnaval com saúde: veja dicas para cuidar da pele, do coração e se proteger de doenças

Ritmo intenso nos bloquinhos, consumo de bebidas alcoólicas e calor são gatilhos para mal-estar e enfermidades

15 fev 2020
16h22
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O carnaval de rua de São Paulo começou neste sábado, 15, com uma programação intensa que se estende até 1º de março. A previsão da Prefeitura é que o público chegue a 15 milhões de pessoas no período, mas, junto com curtir todos os dias de folia, é preciso estar atendo à saúde. O clima é propício para quadros de desidratação, alergias na pele, descompasso do coração e transmissão de infecções. Mas com medidas preventivas, a festa segue com muita diversão e sem problemas.

Um dos primeiros alertas é para o consumo abusivo de bebidas alcoólicas e a mistura com energéticos. A nutricionista Luciana Sarmento, do Espaço Stella Torreão, no Rio de Janeiro, diz que essa combinação aliada ao calor excessivo pode levar à desidratação e outros perigos como intoxicação alcoólica, vômitos e até desmaios.

Além de se manter hidratado com água, isotônicos ou água de coco, ela indica uma alimentação adequada, rica em gorduras boas (abacate, castanhas, nozes), proteínas leves (peixe, frango, ovos, queijos magros, iogurtes) e carboidratos complexos (quinoa, arroz integral, batata doce, milho, aveia).

"Evite frituras, não se alimente em lugares sem higiene adequada e procedência duvidosa, jamais faça uso de bebidas em jejum e se alimente antes de sair de casa", orienta a nutricionista. A especialista recomenda levar pequenos lanches para os bloquinhos de rua a fim de evitar o jejum prolongado. Barrinhas de proteína, mix de castanhas, chocolate com 70% de cacau e frutas secas são algumas recomendações.

Cuide do coração no carnaval

As bebidas energéticas são um risco para quem tem problemas cardiovasculares, pois alteram a pressão arterial e o ritmo cardíaco. Junto a isso, dançar, pular e fazer uma maratona de blocos de carnaval também exigem muito do coração.

Um estudo publicado no International Journal of Cardiovascular Sciences menciona que sessões de samba podem elevar de 60% e 90% a frequência cardíaca máxima prevista para a idade em 86% do tempo. Então, se você não está bem condicionado fisicamente, evite exagerar na intensidade do esforço e faça pausas para descanso.

Bruno Bandeira, diretor de comunicação da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro, reforça a necessidade de se hidratar, pois as altas temperaturas e a redução do volume de água nos vasos sanguíneos podem levar a desmaios e, em casos extremos, a um enfarte. "Ingerir bastante água é fundamental, sendo a?água de coco também uma ótima alternativa para repor os sais minerais perdidos", diz.

Atenção aos rins

A alta ingestão de bebidas alcoólicas, atividades físicas em excesso e pouco repouso também podem desestabilizar o funcionamento dos rins, segundo Maurilo Leite Jr, nefrologista e diretor médico da DaVita Tratamento Renal. O médico alerta que nem sempre esses órgãos apresentam sintomas quando o funcionamento está comprometido. "Alguns sinais podem ser diminuição do volume de urina, inchaço nas pernas e em outras partes do corpo", afirma. Porém, esses sintomas, em geral, aparecem em ocasiões de queda significativa da função renal.

Para evitar qualquer problema, o especialista recomenda beber bastante água — antes, durante e depois da folia, limitar o consumo de bebida alcoólica e intercalar com a ingestão de água, água de coco e sucos, limitar o consumo de energéticos, regular a ingestão de sal e não ficar muitas horas sem fazer xixi.

Evite contrair doenças

A doença do beijo é bem comum no carnaval, embora o beijo não seja a única via de contrair o vírus da mononucleose. A contaminação também pode ocorrer por meio de espirro, tosse e saliva em copos, talheres e xícaras. A melhor prevenção é evitar o contato íntimo com muitas pessoas, já que nunca é possível saber quem está infectado.

Ter hábitos de vida saudáveis, como fazer exercícios, ter boa alimentação e horas adequadas de sono, aumentam a resistência contra infecções. Orienta-se também cobrir a boca com a parte interna do braço ao tossir ou espirrar, não compartilhar alimentos, pratos ou copos e higienizar as mãos com álcool gel.

O beijo também é uma via transmissora da sífilis e da herpes simples tipo 1. Porém, Carolina Lázari, assessora médica em infectologia do Fleury Medicina e Saúde, completa que a forma mais comum de contágio é a sexual. "Nesse caso, não é necessário que ocorra penetração ou ejaculação, o contato entre mucosas durante preliminares ou durante o sexo oral possibilitam a transmissão", explica. Por isso, usar preservativo é fundamental para evitar estas e outras infecções sexualmente transmissíveis — desde que o produto esteja na validade e as instruções de uso sejam seguidas atentamente.

Proteja a pele no carnaval

É só falar em carnaval que já pensamos no glitter e no sol que vai iluminar e aquecer a passagem do trio elétrico. "Os cuidados com o sol devem ser redobrados durante as atividades ao ar livre e não esqueça de usar roupas e sapatos confortáveis para evitar problemas", alerta Alessandra Romiti, coordenadora do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

A médica alerta que tudo em excesso pode fazer mal, então ela recomenda moderar o uso de maquiagens, pinturas, espumas e sprays para pintar o cabelo. "Todos esses itens podem ter substâncias que causam alergias, dermatite de contato, ardência ou coceira. Em relação às maquiagens e brilhos, prefira os produtos de marcas confiáveis", orienta. Para as fantasias de carnaval, ela recomenda usar materiais leves e evitar tecidos sintéticos. Em caso de irritação, lave a área afetada com água e sabonete imediatamente e, em casos de piora, procure um dermatologista.

Os pés também merecem atenção, uma vez que pular, dançar e percorrer longas distâncias seguindo os bloquinhos podem cansar, deixar calos e traumas. A dica é usar sapatos confortáveis e folgados, de preferência tênis. Se ainda assim surgirem bolhas nos pés, o melhor é não estourar para não infeccionar e proteger com curativo.

Protetor solar não pode faltar! Além disso, inclua chapéu ou boné de aba larga, óculos de sol com proteção UV e o filtro solar com, no mínimo, fator 30. Mesmo no embalo da folia, lembre-se de reaplicar o produto a cada duas horas, porque, sem dúvida, ele vai sair com o suor. Outra dica importante para a pele é, ao entrar em contato com frutas cítricas (limão, tangerina e caju) in natura, sucos ou picolés, lavar bem a região com água e sabonete e reaplicar o protetor solar na área antes da exposição solar para evitar queimaduras e manchas.

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade